Pós-operatório de implante de bioprótese aórtica por cateter: intervenções de enfermagem

Amanda Gonçalves Almeida, Rita de Cássia Fernandes Grassia, Teresa Cristina Dias Cunha Nascimento

Resumo


Estenose aórtica (EAo) é a doença cardíaca valvar mais comum, afeta, aproximadamente, 3% da população idosa submetida a implante de bioprótese aórtica por cateter. Os enfermeiros necessitam aperfeiçoar o conhecimento para elaborar protocolos de atendimento e cuidados. Objetivo: propor intervenções de enfermagem no período pós-operatório imediato para pacientes submetidos a tratamento da estenose aórtica por cateter. Método: pesquisa retrospectiva, quantitativa, com amostra composta por 418 pacientes cujos dados foram fornecidos pelo Registro Brasileiro de Implante por Cateter de Bioprótese Valvar Aórtica, entre janeiro de 2008 e fevereiro de 2013. Resultados: a média de idade foi de 81,5 anos, 348 pacientes apresentavam classe funcional III ou IV de insuficiência cardíaca, sendo que as complicações com maior incidência foram: bloqueio de ramo esquerdo (129 pacientes), bloqueio átrio ventricular (110) e necessidade de implante de marca-passo (83). Conclusão: Foram propostas as intervenções de enfermagem para aaliação da função neurológica, vascular, hematológica, renal, cardíaca, parâmetros vitais e controle da dor.

Palavras-chave


Estenose da valva aórtica. Implante de prótese de valva cardíaca. Bioprótese. Avaliação em enfermagem. Cuidados pós-operatórios.

Texto completo:

PDF/A PDF/A (English)

Referências


Brito Júnior FS, Abizaid A, Almeida BO, Caixeta A, Tarasoutchi F, Grube E, et al. Implante por cateter de bioprótese valvar para tratamento de estenose aórtica: experiência de três anos. Arq bras cardiol. 2012;99(2):697-705

Tarasoutchi F, Montera MW, Grinberg M, Barbosa MR, Piñeiro DJ, Sánchez CRM, et al. Diretriz Brasileira de Valvopatias – SBC 2011. I Diretriz interamericana de valvopatias – SIAC 2011. Arq bras cardiol. 2011;97(5 Supl 1):1-67.

Brito Júnior FS, Lemos Neto PA, Siqueira D, Sarmento-Leite R, Mangione JA, Carvalho LA, et al. Consenso de especialistas sobre o implante por cateter de bioprótese valvares para o tratamento da estenose aórtica de alto risco cirúrgico: relato da sociedade brasileira de hemodinâmica e cardiologia intervencionista. Rev Bras Cardiol Invasiva. 2011;19(2):200-7.

Gaia DF, Palma JH, Ferreira CBN, Souza JAM, Agreli G, Guilhen JCS, et al. Implante transapical de valva aórtica: resultados de uma nova prótese brasileira. Rev Bras Cir Cardiovasc. 2010;25(3):293-302.

Roques F, Michel P, Goldstore AR, Nashef SAM. The logistic EuroSCORE. Eur Heart J. 2003;24:1-2.

Brito Júnior FS, Siqueira D, Sarmento-Leite R, Carvalho LA, Lemos Neto PA, Mangione JA, et al. Racional e desenho do registro brasileiro de implante de bioprótese aórtica por cateter. Rev Bras Cardiol Invasiva. 2011;19(2):145-52.

Brito Júnior FS, Carvalho LA, Siqueira D, Dias JC, Mangione JA, Leite RS, et al. Acesso pela artéria subclávia para implante por cateter da bioprótese valvar aórtica Corevalve®: dados do registro brasileiro. Rev bras cardiol Invasiva. 2012;20(3):247-52.

Leon MB, Piazza N, Nikolsky E, Blackstone EH, Cutlip DE, Kappetein AP et al. Standardized endpoint definitions for transcatheter aortic valve implantation clinical trials. J Am Coll Cardiol. 2011;57(3):253-69.

Raiten JM, Gutsche JT, Horak J, Augoustides JGT. Critical care management of patients following transcatheter aortic valve replacement. F1000 Research. 2013;2(62):1-8.

Bulecheck GM, Butcher HK, Docheterman JM. Classificação das intervenções de enfermagem (NIC). 5ª ed. Porto Alegre: Artmed; 2010.

Grinberg M, Accorsi TAD. Aortic stenosis in the elderly: a Brazilian perspective. Arq Bras Cardiol. 2009;92(2):e36-e39.

Ferreira MCM. Implante valvar aórtico percutâneo: a importância da seleção de pacientes [Internet]. SOCERJ; 2013 [citado 2014 Out 02]. Disponível em: http://socerj.org.br/implante-valvar-aorticopercutaneo- a-importamcia-da-selecao-de-pacientes/

Kappetein AP, Head SJ, Généreux P, Piazza N, Van Mieghem NM, Blackstone EH, et al. Updated standardized endpoint definitions for transcatheter aortic valve implantation: the Valve Academic Research Consortium-2 consensus document. Eur Heart J. 2012; 33:2403-18.

Pereira DAG, Rodrigues RS, Samora GAR, Lage SM, Alencar MCN, Parreira VF, et al. Capacidade funcional de indivíduos com insuficiência cardíaca avaliada pelo teste de esforço cardiopulmonar e classificação da New York Heart Association. Fisioter Pesq. 2012;19(1):52-6.

Stefanini GG, Stortecky S, Cao D, O´Sullivan CJ, Gloekler S, Buellesfeld L, et al. Coronary artery disease severity and aortic stenosis: clinical outcomes according to SYNTAX score in patients undergoing transcatheter aortic valve implantation. Eur Heart J. 2014;35(37):2530-40.

Mendes GS, Moraes CF, Gomes L. Prevalência de hipertensão arterial sistêmica em idosos no Brasil entre 2006 e 2010. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2014;9(32):273-8.

Yamamoto M, Hayashida K, Mouillet G, Meguro K, Watanabe Y, Dubois- Rande JL, et al. Renal function-based contrast dosing predicts acute kidney injury following transcatheter aortic valve implantation. JACC Cardiovasc Interv. 2013;6(5):479-86.

Nuis RJ, Sinning JM, Rodés-Cabau J, Gotzmann M, Van Garsse L, Kefer J, et al. Prevalence, factors associated with, and prognostic effects of preoperative anemia on short and long term mortality in patients undergoing transcatheter aortic valve implantation. Circ Cardiovasc Interv. 2013;6(6):625-34.

Falcão G. Substituição percutânea da válvula aórtica (TAVI) em doentes com estenose aórtica: revisão bibliográfica e análise da casuística do CHVNG [dissertação]. Covilhã: Universidade da Beira do Interior; 2011.

Stortecky S, Buellesfeld L, Wenaweser P, Windecker S. Transcatheter aortic valve implantation: prevention and management of complications. Heart [Internet]. 2012 [cited 2014; 98(supl 4):52-64.

Alves AFG, Grassia RCF, Carvalho R. Cirurgia robótica de revascularização miocárdica: em busca de evidência científica no uso da tecnologia do século XXI. Rev. SOBECC. 2012;17(3):31-42.


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Amanda Gonçalves Almeida, Rita de Cássia Fernandes Grassia, Teresa Cristina Dias Cunha Nascimento

Rev SOBECC, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2358-2871

Licença Creative Commons Revista SOBECC está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia