Percepção de pacientes e cirurgiões quanto à autodemarcação do sítio cirúrgico para cirurgia eletiva: um estudo piloto

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5327/Z1414-4425202227799

Palavras-chave:

Procedimentos cirúrgicos eletivos. Segurança do paciente. Autocuidado. Centro cirúrgico hospitalar. Demarcação de sítio cirúrgico

Resumo

Objetivo: Mensurar a taxa de precisão na autodemarcação da lateralidade realizada pelo paciente cirúrgico eletivo no período pré-operatório imediato e analisar a percepção do paciente e do médico-cirurgião diante dessa prática. Método: Estudo transversal desenvolvido de junho a dezembro de 2018, em um hospital privado do Sul do Brasil. A amostra foi composta por 105 pacientes submetidos a procedimentos cirúrgicos eletivos de órgãos ambíguos, que responderam a um questionário sobre a demarcação do sítio cirúrgico. Os dados foram avaliados por meio de análise descritiva. Resultados: Foram analisados 105 questionários, dos quais três foram excluídos por estar incompletos, dessa forma, a amostra foi composta por 102 documentos. Todos os pacientes realizaram a autodemarcação no local correto. Dentre os participantes, 93% dos pacientes e 99% dos cirurgiões relataram sentirem-se seguros quanto à autodemarcação. Conclusão: A autodemarcação pode constituir uma complementação na prática assistencial, consistindo em mais uma barreira de segurança e promovendo a participação do paciente como agente de cuidado, porém não substitui a confirmação pelo cirurgião no período pré-operatório.

Biografia do Autor

Larissa de Siqueira Gutierres, sem nenhum instituição afiliada

Larissa de Siqueira Gutierres. Enfermeira. Mestre em Enfermagem. Especialista em Enfermagem Cirúrgica pela SOBECC. MBA em Gestão e Controle de Infecção Hospitalar. Santa Catarina, SC.

Shara Bianca De Pin Raduenz

Shara Bianca De Pin Raduenz. Enfermeira. Especialista em Qualidade em Saúde e Segurança do Paciente. Linköping, Região Östergötland, Suécia.

Vanessa de Brito Poveda, Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo

Vanessa de Brito Poveda. Enfermeira. Pós-doutora em Enfermagem. Professora Associada da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP

Cassiane de Santana Lemos, Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo (EEUSP)

Cassiane de Santana Lemos. Enfermeira. Pós-doutoranda da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo (EEUSP), São Paulo, SP. Professora Contratada da EEUSP

Cassia Brasil

Cassia Brasil. Enfermeira. Especialista em Centro Cirúrgico, Sala de recuperação anestésica e central de materiais

Gabriela Duarte Pereira

Gabriela Duarte Pereira, Enfermeira

Referências

Kohn LT, Corrigan JM, Donaldson MS. To err is human: building a safer health system: a report of the Committee on Quality of Health Care in America. Washington: National Academy Press; 2000.

Martins M. Qualidade do cuidado de saúde. In: Sousa P, Mendes W, orgs. Segurança do paciente: conhecendo os riscos nas organizações de saúde. 2a ed. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; 2019. p. 27-40.

Mills DH. Medical insurance feasibility study. A technical summary. West J Med. 1978;128(4):360-5. PMID: 664637

Leape LL, Brennan TA, Laird N, Lawthers AG, Localio AR, Barnes BA, et al. The nature of adverse events in hospitalized patients. Results of the Harvard Medical Practice Study II. N Engl J Med. 1991;324(6):377-84. https://doi.org/10.1056/NEJM199102073240605

World Health Organization. First global patient safety challenge: clean care is safer care. [Internet]. Geneva: World Health Organization; 2005. [acessado em 01 mar. 2022] Disponível em: https://www.who.int/patientsafety/events/05/GPSC_Launch_ENGLISH_FINAL.pdf?ua=1

World Health Organization. WHO guidelines for safe surgery 2009. Safe surgery saves lives. [Internet]. Geneva: World Health Organization; 2009. [acessado em 01 mar. 2022] Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/44185/9789241598552_eng.pdf;jsessionid =BDF48D06B8BD2FECD3837C7C71798BBC?sequence=1

Kwaan MR, Studdert DM, Zinner MJ, Gawande AA. Incidence, patterns, and prevention of wrong-site surgery. Arch Surg. 2006;141(4):353-7; discussion 357-8. https://doi.org/10.1001/archsurg.141.4.353

Brasil. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria no 2.095, de 24 de setembro de 2013. Aprova os protocolos básicos de segurança do paciente. [Internet] Brasília: Ministério da Saúde; 2013. [acessado em 01 mar. 2022] Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2013/prt2095_24_09_2013.html

Brasil. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria no 1.377, de 9 de julho de 2013. Aprova protocolos de segurança do paciente [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2013. [acessado em 01 mar. 2022] Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2013/prt1377_09_07_2013.html

Silva ACA, Silva JF, Santos LRO, Avelino FVSD, Santos AMR, Pereira AFM. A segurança do paciente em âmbito hospitalar: revisão integrativa da literatura. Cogitare Enfermagem. 2016;21(5):1-9. http://dx.doi.org/10.5380/ce.v21i5.37763

Bergal LM, Schwarzkopf R, Walsh M, Tejwani NC. Patient participation in surgical site marking: can this be an additional tool to help avoid wrong-site surgery? J Patient Saf. 2010;6(4):221-5. PMID: 21500609

Topics in Patient Safety TIPS. Special Edition: JCAHO Patient Safety Goals 2003. VA National Center for Patiente Safety. 2002;2(5). [acessado em 01 mar. 2022] Disponível em: https://www.patientsafety.va.gov/docs/TIPS/TIPSDec02.pdf

Bathla S, Chadwick M, Nevins EJ, Seward J. Preoperative site marking: are we adhering to good surgical practice? J Patient Saf. 2021;17(6):e503-e508. https://doi.org/10.1097/PTS.0000000000000398

Motta Filho GR, Silva LFN, Ferracini AM, Bähr GL. Protocolo de cirurgia segura da OMS: o grau de conhecimento dos ortopedistas brasileiros. Rev Bras Ortop. 2013;48(6):554-62. https://dx.doi.org/10.1016/j.rbo.2013.08.002

Bohomol E, Tartali JA. Eventos adversos em pacientes cirúrgicos: conhecimento dos profissionais de enfermagem. Acta Paul Enferm. 2013;26(4):376-81. https://doi.org/10.1590/S0103-21002013000400012

Gutierres LS, Santos JLG, Barbosa SFF, Maia ARC, Koerich C, Gonçalves N. Adesão aos objetivos do Programa Cirurgias Seguras Salvam Vidas: perspectiva de enfermeiros. Rev Latino-Am Enfermagem. 2019;27:e3108. http://doi.org/10.1590/1518-8345.2711.3108

Silva PHA, Conde MBC, Martinasso PF, Maltempi RP, Jacon JC. Cirurgia segura: análise da adesão do protocolo por médicos e possível impacto na segurança do paciente. Rev Col Bras Cir. 2020;47:e20202429. http://doi.org/10.1590/0100-6991e-20202429

Schäfli-Thurnherr J, Biegger A, Soll C, Melcher GA. Should nurses be allowed to perform the pre-operative surgical site marking instead of surgeons? A prospective feasibility study at a Swiss primary care teaching hospital. Patient Saf Surg. 2017;4;11:9. https://doi.org/10.1186/s13037-017-0125-1

Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo. Parecer COREN-SP CT 052/2013. PRCI no 102.600. Tickets no 290.931, 292.084. Ementa: Protocolo cirurgia segura – demarcação de lateralidade, responsabilidade da realização[Internet]. 2013 [acessado em 01 mar. 2022] Disponível em: https://portal.coren-sp.gov.br/wp-content/uploads/2013/11/Parecer_052_Lareralidade_Cirurgica_Revis_%20aprovado.pdf

Hainsworth T. The NPSA recommendations to promote correct-site surgery. Nursing Times. 2005;101(12):28. [Internet] [acessado em 01 mar. 2022] Disponível em: https://www.nursingtimes.net/clinical-archive/perioperative-nursing/the-npsa-recommendations-to-promote-correct-site-surgery-22-03-2005/

Reiter K. A look at best practices for patient education in outpatient spine surgery. AORN J. 2014;99(3):376-84. https://doi.org/10.1016/j.aorn.2014.01.008

Costa DG, Moura GMSS, Pasin SS, Costa FG, Magalhães AMM. Experiência do paciente na coprodução de cuidados: percepções acerca dos protocolos de segurança do paciente. Rev Latino-Am Enfermagem. 2020;28:e3272. https://doi.org/10.1590/1518-8345.3352.3272

Fowler Jr FJ, Gallagher PM, Drake KM, Sepucha KR. Decision dissonance: evaluating an approach to measuring the quality of surgical decision making. Jt Comm J Qual Patient Saf. 2013;39(3):136-44. https://doi.org/10.1016/s1553-7250(13)39020-5

Publicado

2022-10-05

Como Citar

Gutierres, L. de S., Raduenz, S. B. D. P., Poveda, V. de B., Lemos, C. de S., Brasil, C., & Pereira, G. D. (2022). Percepção de pacientes e cirurgiões quanto à autodemarcação do sítio cirúrgico para cirurgia eletiva: um estudo piloto. Revista SOBECC, 27. https://doi.org/10.5327/Z1414-4425202227799

Edição

Seção

Artigos Originais