Medição da qualidade em centro cirúrgico: quais indicadores utilizamos?

Bárbara Peres Gama, Elena Bohomol

Resumo


Objetivo: Identificar quais são e como são gerenciados os indicadores utilizados pelos enfermeiros que atuam em centro cirúrgico. Método:
Estudo descritivo, transversal e quantitativo, realizado no período de outubro de 2018 a fevereiro de 2019. A amostra foi composta de conveniência, com
enfermeiros de centros cirúrgicos brasileiros que responderam a um questionário com 53 questões. A análise de dados foi realizada por meio de estatística
descritiva e teste estatístico χ2, com nível de significância de 5%. Resultados: Os indicadores mais gerenciados pelos enfermeiros foram: quantidade
de cirurgias canceladas (81,6%), taxa de infecção do sítio cirúrgico (78,5%) e ocupação de salas cirúrgicas por mês (69,6%). Observou-se diferença significante
da gestão dos indicadores entre hospitais com e sem avaliação externa de qualidade, nos quesitos treinamentos (p=0,000) e compartilhamento dos
resultados com as equipes (p=0,000), que se mostraram iguais para dificuldade em utilizar a ferramenta (p=0,803). Conclusão: Apesar de os indicadores
serem monitorados pelos enfermeiros e os hospitais com avaliação externa apresentarem melhores resultados em alguns itens de gerenciamento e uso
de indicadores, as instituições ainda precisam investir no aprimoramento dos profissionais e na gestão da ferramenta.


Palavras-chave


Enfermagem. Centros cirúrgicos. Indicadores de gestão. Gestão da qualidade. Segurança do paciente

Texto completo:

PDF PDF/A (English)

Referências


Indicadores de Salud: Elementos básicos para el análisis de la situacion. OPAS, Bol. Epidemiol., 2001; 22(4): 1-16. [citado 2018 out 29]. Disponível em: http://www.paho.org/spanish/SHA/be_v22n4-indicadores.htm

Oliveira JR, Xavier RMF, Santos JAF. Eventos adversos notificados ao Sistema Nacional de Notificações para a Vigilância Sanitária (NOTIVISA): Brasil, estudo descritivo no período 2006 a 2011. Epidemiol. Serv. Saúde. 2013; 22(4): 671-678. [citado 2018 out 29]. doi: http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742013000400013.

Amaral JAB, Spiri WC, Bocchi SCM. Indicadores de qualidade em enfermagem com ênfase no centro cirúrgico: revisão integrativa da literatura. Rev. SOBECC, 2017; 22(1): 42-51. [citado 2018 out 29]. doi: 10.5327/Z1414-4425201700010008

Duarte IG, Ferreira DP. Uso de indicadores na gestão de um centro cirúrgico. Rev. adm. Saúde, 2006; 8(31):63-70. [citado 2018 nov 02]. Disponível em: http://cqh.org.br/portal/pag/anexos/baixar.php?p_ndoc=224&p_nanexo=66

Jericó MC, Perroca MG, Penha VC. Mensuração de indicadores de qualidade em centro cirúrgico: tempo de limpeza e intervalo entre cirurgias. Rev. Latino-Am. Enfermagem, 2011; 19(5):1-8. [citado 2018 nov 09] doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692011000500023

Bogh SB, Falstie-Jensen AM, Hollnagel E, Holst R, Braithwaite J, Johnsen SP. Improvement in quality of hospital care during accreditation: A nationwide stepped-wedge study. Int. J. Qual. Health C., 2016; 28(6); 715–20. [cited 2019 july 27] doi: https://doi.org/10.1093/intqhc/mzw099

Braga A, Pena MM, Melleiro MM. Métrica de indicadores assistenciais de hospitais certificados. Rev. Enferm. UFPE online, 2018; 12(3): 665-675. [citado 2019 Set 21]. doi: https://doi.org/10.5205/1981-8963-v12i3a230715p665-675-2018

Dalcól C, Garanhani ML. Papel gerencial do enfermeiro de centro cirúrgico: percepções por meio de imagens. Rev. Eletr. Enf., 2016;18:e1168: 1-10. [citado 2019 set 23]. doi: http://dx.doi.org/10.5216/ree.v18.34888.

Ribeiro HCTC, Rodrigues TM, Teles SAF, Pereira RC, Silva LLT, Mata LRF. Distrações e interrupções em sala cirúrgica: percepção de profissionais de enfermagem. Esc Anna Nery, 2018;22(4):e20180042. [citado 2019 set 23] doi: 10.1590/2177-9465-EAN-2018-0042

Silva CJA, Villaça LLE, Novais MAP, Zucchi P. An assessment of the quality indicators of operative and non-operative times in a public university hospital. Einstein (São Paulo), 2015;13(4):594-599. [cited 2019 Sep 25]. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1679-45082015GS3289

Ministério da Saúde (BR). Portaria Nº. 2616 de 12 de maio 1998. Programa de controle de infecções hospitalares. Brasília (DF): Diário oficial da União; 1998. [citado 2019 set 26]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/1998/prt2616_12_05_1998.html

Galvão TF, Lopes MCC, Oliva CCC, Araújo MEA, Silva MT. Patient safety culture in a university hospital. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2018;26:e3014. [cited 2019 Sep 25]. doi: http://dx.doi. org/10.1590/1518-8345.2257.3014.

Elias ACGP, Schmidt DRC, Yonekura CSI, Dias AO, Ursi ES, Silva RPJ, et. al. Avaliação da adesão ao checklist de cirurgia segura. Rev. SOBECC, 2015; 20(3): 128-133. [citado 2019 set 23]. doi: 10.5327/Z1414-4425201500030002

Marquioni FSN, Moreira TR, Diaz FBBS, Ribeiro L. Adesão ao checklist de cirurgia segura. Rev. SOBECC, 2019; 24(1): 22-30. [citado 2019 set 25]. doi: https://doi.org/10.5327/10.5327/Z1414-4425201900010006

Martins FZ, Dall’Agnol CM. Centro cirúrgico: desafios e estratégias do enfermeiro nas atividades gerenciais. Rev Gaúcha Enferm., 2016;37(4):e56945. [citado 2019 set 25]. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1983- 1447.2016.04.56945.

Pinto EV, Lunardi LS, Treviso P, Botene DZA. Atuação do enfermeiro na cirurgia robótica: desafios e perspectivas. Revista SOBECC, 2018; 23(1):43-51. [citado 2019 set 25]. doi: https://doi.org/10.5327/Z1414-4425201800010008.

Al-Sughayir MA. Effect of accreditation on length of stay in psychiatric inpatients: pre‑post accreditation medical record comparison. Int J Ment Health Syst., 2016; 55(10):1-5. [cited sep 26]. doi: 10.1186/s13033‑016‑0090‑6

Shaw CD, Groene O, Botje D, Sunol R, Kutryba B, Klazinga N, et. al. The effect of certification and accreditation on quality management in 4 clinical services in 73 European hospitals. Int. J. Qual. Health C., 2014; 26(1):100–107. [cited sep 27]. doi: https://doi.org/10.1093/intqhc/mzu023

Gabriel CS, Bogarin DF, Mikael S, Cummings G, Bernardes A, Gutierrez L, et. al. Perspectiva dos Enfermeiros Brasileiros sobre o Impacto da Acreditação Hospitalar. Enferm. Glob., 2018; 17(49):381-419. [citado 2019 set 27]. Disponível em: http://scielo.isciii.es/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1695-61412018000100381&lng=pt&nrm=iso&tlng=en

Gözlü K, Kaya S. Patient safety culture as perceived by nurses in a Joint Commission International Accredited Hospital in Turkey and its comparison with Agency for Healthcare Research and Quality Data. Patient Saf Qual Improv., 2016 4(4):441-9. [cited 2019 sep 27]. Available from: http://psj.mums.ac.ir/article_7640_9f9dd2489fbe1d50566a94452298fccc.pdf




DOI: https://doi.org/10.5327/Z1414-4425202000030004

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Bárbara Peres Gama

Rev SOBECC, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2358-2871

Licença Creative Commons Revista SOBECC está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia