Resíduos de serviços de saúde: perfil e análise de custos em um centro cirúrgico

Danielly Negrão Guassú Nogueira, Giovana Alves Santos, Alexandrina Aparecida Maciel Cardelli, Valeria Castilho

Resumo


Objetivo: Determinar o perfil de geração e mensurar os custos dos materiais utilizados no gerenciamento de resíduos de serviços de saúde em
um centro cirúrgico. Método: Trata-se de pesquisa exploratória, descritiva, com abordagem quantitativa, na modalidade estudo de caso. O local foi o
Centro Cirúrgico do Hospital Universitário da Universidade de São Paulo. A amostra estratificada foi de 1.120 cirurgias, e os resíduos foram pesados por
82 dias. Resultados: Os resíduos do Centro Cirúrgico representaram 6,38% do total hospitalar. O grupo mais representativo foi A-infectantes (50,62%).
A média de geração foi de 3,72 kg por cirurgia. A sala de operação foi o local que mais gerou resíduos (55,93%), e as cirurgias buco-maxilares as que mais
geraram resíduos, em termos de massa. O custo de um quilo foi: Grupo A (R$ 1,10), Grupo B (R$ 5,70), Grupo D Reciclado (R$ 0,96), Grupo D Não
Reciclado (R$ 1,01) e Grupo E (R$ 3,23). Conclusão: O custo total médio por cirurgia foi de R$ 8,641, e sua redução depende da negociação de compra
dos itens de consumo que tiveram maior representatividade nos custos.


Palavras-chave


Resíduos de serviços de saúde. Centros cirúrgicos. Custos e análises de custo

Texto completo:

PDF PDF/A (English)

Referências


Karayurt Ö, Çömes S, Ceylan H. Cerrahi kliniklerde çevre dostu uygulamalar. (Eco-friendly practices in surgery clinic). Deuhyo Ed [Internet]. 2014 [cited 2019 Jan 10];7(4):337-44.Available from: http://www.deuhyoedergi.org/index.php/DEUHYOED/article/view/130/372.

World Health Organization. Safe management of wastes from health-care activities. 2nd ed. Geneva: WHO; 2013.

Weiss A, Hollandsworth HM, Alseidi A, Scovel L, French C, Derrick EL, et al. Environmentalism in surgical practice. Curr Probl Surg. 2016;53(4):165-205. DOI: https://doi.org/10.1067/j.cpsurg.2016.02.001

Brasil. Ministério da Saúde. RDC n. 322, de 29 de Março de 2018. Dispõe sobre as boas práticas de gerenciamento dos resíduos de serviços de saúde e dá outras providências [Internet]. Brasília; 2018. [citado 2019 jun. 19]. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/documents/10181/3427425/RDC_222_2018_.pdf

Brasil. Ministério do Meio Ambiente. Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução n. 358, de 29 de abril de 2005. Dispõe sobre o tratamento e a disposição final dos resíduos dos Serviços de Saúde [Internet]. Brasília; 2005 [citado 2019 abr. 10]. Disponível em: http://www.mma.gov.br/port/conama/res/ res05/res35805.pdf

Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (ABRELPE). Panorama de resíduos sólidos no Brasil [Internet]. São Paulo; 2016 [citado 2019 mar. 22]. Disponível em: http://www.abrelpe.org.br

Brasil. Presidência da Republica. Lei n. 12.305, de 2 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei n. 9.605, de 12 de fevereiro de 1998 e dá outras providências [Internet]. Brasília; 2010 [citado 2019 fev. 22]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato20072010/2010/lei/l12305.htm

Candan Donmez Y, Aslan A, Yavuz Vam Giersbergen M. Environment-friendly Practices in operating rooms in Turkey. J Nurs Res. 2019;27(2):e18. DOI: 10.1097/jnr.0000000000000296

Nogueira DNG, Castilho V. Resíduos de serviços de saúde: mapeamento de processo e gestão de custos como estratégias para sustentabilidade em um centro cirúrgico. REGE. 2016;23(4):362-74. DOI: https://doi.org/10.1016/j.rege.2016.09.007

Maders GR, Cunha HFA. Análise da gestão e gerenciamento dos resíduos de serviços de saúde (RSS) do Hospital de Emergência de Macapá, Amapá, Brasil. Eng Sanit Ambient. 2015;20(3):379-88. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-41522015020000137607.

World Health Organization. Safe management of wastes from health-care activitie. 2nd ed. [Internet]. Geneva: WHO; 2014 [cited 2019 mar. 20]. Available from: http://www.searo.who.int/srilanka/documents/safe_management_of_wastes_from_healthcare_activities.pdf

Terekli G, Özkan O, Bayin G. Çevre dostu hastaneler: hastaneden yeşil hastaneye. (Environmental friendly hospitals: from the hospital to green hospital). ASHD [Internet]. 2013 [cited 2019 Jan 10];12(1):37-54. Available fro://dergiler.ankara.edu.tr/dergiler/28/1829/19255.pdf

Potera C. Strategies for greener hospital operating Rooms. Environ Health Perspect. 2012; 120(8):a306-a307. DOI: https://doi.org/10.1289/ehp.120-a306a

Kagoma Y, Stall N, Rubinstein E, Naudie D. People, planet and profits: the case for greening operating rooms. CMAJ. 2012; 84(17):1905-1911. DOI: https://doi.org/10.1503/cmaj.112139




DOI: https://doi.org/10.5327/Z1414-4425202000030005

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Danielly Negrão Guassú Nogueira, Giovana Alves Santos, Alexandrina Aparecida Maciel Cardelli, Valeria Castilho

Rev SOBECC, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2358-2871

Licença Creative Commons Revista SOBECC está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia