Formação do enfermeiro para atuar na central de esterilização

Selma Maria Ravazzi Lucon, Luzmarina Aparecida Doretto Braccialli, Sueli Moreira Pirolo, Cláudia Cordeiro Munhoz

Resumo


Objetivo: Compreender a formação do enfermeiro para atuar na Central de Material Esterilizado (CME). Método: Estudo descritivo qualitativo,
constituído por uma amostra de 20 enfermeiros matriculados nos programas de mestrado profissional e acadêmico da Faculdade de Medicina de Marília
(Famema), no período de 2011 a 2014. A coleta de dados foi realizada por meio de entrevista em 2014. Resultados: Foram identificadas duas categorias
temáticas: a formação do enfermeiro pautada no modelo tecnicista e a perspectiva da formação generalista. Constatou-se que o mundo do trabalho e a
formação estão entrelaçados, sendo que a graduação contribui para o desenvolvimento de profissionais competentes e éticos, considerando as suas realidades
nos processos de formação. Conclusão: Independente da proposta curricular das instituições de ensino, os enfermeiros tiveram dificuldades para
o aprofundamento quanto ao tema proposto, mas colaboraram com sugestões de transformações das práticas de ensino e aprendizagem para atuação
dos enfermeiros na CME e que essa formação possa ser repensada mais adequadamente.


Palavras-chave


Enfermagem; Centro de Material e Esterilização

Texto completo:

PDF PDF/A (English)

Referências


Possari JF. Centro de material e esterilização: planejamento,

organização e gestão. 4ª ed. São Paulo: Iátria; 2012.

Brasil. Decreto n. 94.406, de 8 de junho de 1987. Regulamenta a

Lei n. 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício

da Enfermagem, e dá outras providências. Diário Oficial da União.

jun. 1987; Seção I:8.853.

Brasil. Ministério da Educação, Conselho Nacional de Educação,

Câmara de Educação Superior. Resolução CNE/CES n. 3, de 7 de

novembro de 2001. Institui diretrizes curriculares nacionais do

curso de graduação em Enfermagem. Diário Oficial da União. 9 nov.

;Seção 1:37.

Quadros JS, Colomé JS. Metodologias de ensino-aprendizagem na

formação do enfermeiro. Rev Baiana Enferm [Internet]. 2016 [citado

out.25];30(2):1-10. Disponível em: http://dx.doi.org/10.18471/

rbe.v30i2.15662

Pezzi MCS. Reconstruindo formas de gerenciar recursos humanos:

a prática do enfermeiro na central de material e esterilização

[dissertação]. Rio de Janeiro (RJ): Universidade Federal do Rio de

Janeiro; 2011 [citado 2016 jun.10]. 234p. Disponível em: http://objdig.

ufrj.br/51/teses/EEA N_D_MariaDaConceicaoSamuPezzi.pdf

Hernandez Sampieri R, Fernandez Collado C, Baptista Lucio M.

Metodologia de pesquisa. 5ª ed. Porto Alegre: Penso; 2013.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em

saúde. 13ª ed. São Paulo: Hucitec; 2013.

Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução

n.º 466, de 12 de dezembro de 2012. Aprova as diretrizes e normas

regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Diário

Oficial da União. 13 jun. 2013; Seção 1:59.

Bardin L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70; 2012.

Saldanha OMFL, Pereira AL B, Medeiros CRG, Dhein G, Koetz LCE,

Schwertner SF, et al. Clínica-escola: apoio institucional inovador às

práticas de gestão e atenção na saúde como parte da integração

ensino-serviço. Interface Comum Saúde Educ [Internet]. 2014 [citado

abr. 20];18(Supl 1):1053-62. Disponível em: http://dx.doi.

org/10.1590/1807-57622013.0446

Fernandes JD, Silva RMO, Teixeira GA, Florencio RMS, Silva LS,

Rebouças LCC. Aderência de cursos de graduação em enfermagem

às diretrizes curriculares nacionais na perspectiva do sistema único

de saúde. Esc Anna Nery [Internet]. 2013 [citado 2016abr.5];17(1):82-

Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ean/v17n1/12.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. Orientações gerais para central de

esterilização. Brasília: Ministério da Saúde; 2001.

Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo [Internet].

Parecer n. 3, de 5 de julho de 2012. Dispõe sobre as atribuições dos

profissionais de enfermagem no Centro de Material e Esterilização

– CME. São Paulo: Coren-SP; 2012 [citado 2016 jun. 28]. Disponível

em: http://portal.coren-sp.gov.br/sites/default/files/parecer_coren_

sp_2012_3.pdf

Florêncio ACUS, Carvalho R, Barbosa GS. O impacto do trabalho do centro

de materiais na qualidade da assistência. Rev SOBECC. 2011;16(1):31-9.

Padoveze MC, Figueiredo RM, Pelaes CES, Otrenti E. Necessidades

de aprendizagem de enfermeiros sobre processos de esterilização.

Rev SOBECC. 2013;18(3):23-9.

Campos LRG, Ribeiro MRR, Depes VBS. Autonomia do graduando

em enfermagem na (re)construção do conhecimento mediado pela

aprendizagem baseada em problemas. Rev Bras Enferm [Internet].

[citado 2016 abr. 5];67(5):818-24. Disponível em: http://dx.doi.

org/10.1590/0034-7167.2014670521

Soriano ECI, Peres CRFB, Marin MJS, Tonhom SFR. State nursing

courses in São Paulo forward the curriculum guidelines. Rev Min

Enferm [Internet]. 2015 [citado em 2016 abr. 5];19(4):973-9. Disponível

em: http://www.reme.org.br/artigo/detalhes/1053




DOI: https://doi.org/10.5327/Z1414-4425201700020006

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Selma Maria Ravazzi Lucon, Luzmarina Aparecida Doretto Braccialli, Sueli Moreira Pirolo, Cláudia Cordeiro Munhoz

Rev SOBECC, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2358-2871

Licença Creative Commons Revista SOBECC está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia