Utilização de cenários para a educação sobre segurança do paciente em centro cirúrgico

Elena Bohomol, Juliana de Abreu Tatarli

Resumo


Objetivo: Apresentar cenários da prática de enfermagem assistencial e gerencial relacionados aos procedimentos perioperatórios como estratégia
educacional. Método: A população foi composta de cenários redigidos de uma investigação prévia. Foi realizada uma análise secundária das informações
disponíveis. Resultados: Foram identificados sete cenários que representam o cotidiano de trabalho dos enfermeiros relacionado aos procedimentos
perioperatórios. Desses cenários, quatro descrevem situações que apresentam eventos adversos que atingiram o paciente, dois near misses, e um contextualiza
uma situação de risco. Três cenários contextualizavam situações com pacientes idosos e um com paciente pediátrico. Conclusão: Os cenários
podem apresentar situações assistencias e propiciar reflexões para minimizar oportunidades de erros, melhorar a assertividade da comunicação, propiciar
esclarecimento sobre conceitos de qualidade e promover a utilização de protocolos de segurança do paciente.


Palavras-chave


Segurança do paciente; Enfermagem de Centro Cirúrgico; Educação em saúde.

Texto completo:

PDF PDF/A (English)

Referências


Kohn LT, Corrigan JM, Donaldson MS. To err is human: building a safer

health system. Washington, D.C.: National Academy Press; 2000.

World Health Organization; Alliance for Patient Safety. Conceptual

Framework for the International Classification for Patient Safety. Version

1. Technical Report. Geneva: World Health Organization; 2009.

National Patient Safety Foundation. Livre de danos. Acelerar a melhoria

da segurança do paciente quinze anos depois do To Err is Human.

[acesso em: 2017 abr. 23]. Disponível em: https://proqualis.net/

artigo/livres-de-danos-acelerar-melhoria-da-seguran%C3%A7ado-

paciente-quinze-anos-depois-de-err-human

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n.º 529, de 1.º de abril de 2013.

Institui o Programa Nacional de Segurança do Paciente (PNSP). Diário

Oficial da União [Internet]. 2013 abr. 2 [acesso em: 2017 abr. 23].

Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2013/

prt0529_01_04_2013.html

Kiersma ME, Plake KS, Darbishire PL. Patient safety instruction

in US health professions education. Am J Pharm Educ. 2011 Oct

;75(8):162.

Sukkari SR, Sasich LD, Tuttle DA, Abu-Baker AM, Howell H.

Development and evaluation of a required patient safety course.

Am J Pharm Educ. 2008 Jun 15;72(3):65.

World Health Organization. World Alliance for Patient Safety.

WHO patient safety curriculum guide: multi-professional edition.

Geneva: WHO; 2011.

World Health Organization. Safe surgery saves lives. The second global

patient safety challenge. Geneva: World Health Organization; 2009.

Bohomol E, Tartali JA. Eventos adversos em pacientes cirúrgicos:

conhecimento dos profissionais de enfermagem. Acta Paul Enferm.

;26(4):376-81.

Oliveira SN, Prado ML, Kempfer SS. Utilização da simulação no

ensino da enfermagem: revisão integrativa. Rev Min Enferm.

;18(2):487-95.

Almeida ABA, Aguiar MGG. O cuidado do enfermeiro ao idoso

hospitalizado: uma abordagem bioética. Rev Bioét. 2011;19(1):197-217.

Reis AT, Santos RS, Caires TLG, Passos RS, Fernandes LEP, Marques

PA. O significado da segurança do paciente cirúrgico pediátrico para

a equipe de enfermagem. Cogitare Enferm. 2016;21(esp.):1-8.

Institute for Healthcare Improvement. Changes. Match Capacity

and Demand to Improve Flow [Internet]. [acesso em: 2017 abr.

. Disponível em: http://www.ihi.org/resources/Pages/Changes/

MatchCapacityandDemand.aspx

Pinto AS, Grigoletti SS, Marcadentia A. Fasting abbreviation

among patients submitted to oncologic surgery: systematic

review. ABCD Arq Bras Cir Dig [Internet]. 2015 [acesso em: 2017

abr. 22];28(1):70-3. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.

php?script=sci_arttext&pid=S0102-67202015000100070&lng=en

Ursi ES, Galvão CM. Ocorrência de úlcera por pressão em

pacientes submetidos a cirurgias eletivas. Acta Paul Enferm.

;25(5):653-59.

Schanaider A, Manso JEF. Corpos estranhos provenientes

de acessos cirúrgicos à cavidade abdominal: aspectos

fisiopatológicos e implicações médico legais. Rev Col

B ra s C i r [ I n t e r n e t ] . 2 0 0 6 A u g [ a c e s s o e m : 2 0 1 7 a b r.

;33(4):250-5. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.

php?script=sci_arttext&pid=S0100-69912006000400011&lng=en

Okuhara A, Navarro TP, Procópio RJ, Bernardes RC, Oliveira LCC,

Nishiyama MP. Incidência de trombose venosa profunda e qualidade da

profilaxia para tromboembolismo venoso. Rev Col Bras Cir. 2014;41(1):2-6.

Lopes IG, Magalhães MAS, Sousa ALA, Araújo IMB. Prevenir a

hipotermia no perioperatório: revisão integrativa da literatura. Rev

Enferm. 2015;4(4):147-55.

Freitas MR, Antunes AG, Lopes BNA, Fernandes FC, Monte LC, Gama

ZAS. Avaliação da adesão ao checklist de cirurgia segura da OMS em

cirurgias urológicas e ginecológicas, em dois hospitais de ensino de

Natal, Rio Grande do Norte, Brasil. Cad Saúde Pública. 2014;30(1):137-48.

Silva FG, Oliveira Junior NJ, Oliveira DO, Nicoletti DR, Comin E.

Análise de eventos adversos em um centro cirúrgico ambulatorial.

Rev SOBECC. 2015;20(4):202-9.




DOI: https://doi.org/10.5327/Z1414-4425201700030004

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Elena Bohomol

Rev SOBECC, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2358-2871

Licença Creative Commons Revista SOBECC está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia