Prevalência e fatores de risco para infecção de sítio cirúrgico em mielomeningocele

Natalie Rosa Pires Neves, Marilene Evangelista Correa Noleto, Virgínia Sousa Ribeiro

Resumo


Objetivo: Determinar a prevalência e os fatores de risco para infecção de sítio cirúrgico (ISC) no tratamento de mielomeningocele infantil. Métodos:
Foram listados os prontuários de crianças que se submeteram ao procedimento e analisados apenas os casos positivos para ISC. Resultados: De 2005 a
2010, foram listados 155 prontuários, dos quais 123 (79,35%) foram localizados. Destes, 14 (9,03%) foram descartados, restando 109 (70,32%) para análise.
Houve 33,94% de prevalência da ISC, e predominaram a localização lombossacral (32,43%) e lesões rotas (83,78%). A maioria (86,49%) das crianças realizou
correção cirúrgica após 48 horas de vida. Em 11 (27,73%) casos se fez cultura de material proveniente da ferida operatória, todas (100%) positivas; predominaram
Klebsiella pneumoniae (46,66%) e Pseudomonas aeruginosa (26,67%). Conclusão: A taxa de prevalência de ISC neste estudo foi considerada alta
quando comparada a outros tipos de cirurgia; no entanto, para cirurgias infectadas os níveis encontrados acordam com a literatura, que relata de 7 a 40%.


Palavras-chave


enfermagem; centro cirúrgico

Texto completo:

PDF PDF/A (English)

Referências


Baghdadi T, Abdi R, Bashi RZ, Aslani H. Surgical management of hip

problems in myelomeningocele: a review article. Arch Bone Jt Surg.

;4(3):197-203.

Di Rocco C, Trevisi G, Massimi, L. Myelomeningocele: an overview.

World Neurosurg. 2014;81(2):294-5. Disponível em: http://www.

worldneurosurgery.org/article/S1878‑8750(13)00325‑2/abstract

Marreiros, H, Loff, C, Calado, E. Who needs surgery for pediatric

myelomeningocele? A retrospective study and literature review. J

Spinal Cord Med. 2015;38(5):626-40.

Bao N, Lazareff J. How I do it: management of spina bifida in a hospital in

The People’s Republic of China. Surg Neurol Int. 2015;6(Suppl 11):337-45.

Roscani ANCP, Ferraz EM, Oliveira Filho AG, Freitas MIP. Validação

de checklist cirúrgico para prevenção de infecção de sítio cirúrgico.

Acta Paul Enferm. 2015;28(6):553-65.

Nogueira PSF, Moura ERF, Costa MMF, Monteiro WMS, Brondi L. Perfil

da infecção hospitalar em um hospital universitário. Rev Enferm UERJ.

;17(1):96-101.

A gência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Critérios

diagnósticos de infecção relacionada à assistência à saúde ‑ Série

Segurança do Paciente e Qualidade em Serviços de Saúde. 2013.

p. Disponível em:

index.php/publicacoes/category/livros>

Oliveira AC, Ciosak SI. Infecção de sítio cirúrgico em hospital

universitário: vigilância pós-alta e fatores de risco. Rev Esc Enferm

USP. 2007;41(2):258-63.

Demir N, Peker E, Gülsen I, Agengin K, Tuncer O. Factors affecting

infection development after meningomyelocele repair in newborns and

the efficacy of antibiotic prophylaxis. Childs Nerv Syst. 2015;31(8):1355-9.

Salomão JF, Pinheiro JAB, Carvalho JGS, Leibinger RD, Lucchesi

G, Bomfim V. Mielomeningocele: tratamento cirúrgico e resultados.

Jornal de Pediatria. 1995;317-21. Disponível em: http://www.jped.

com.br/conteudo/95‑71‑06‑317/port.pdf.

Schroeder HK, Nunes JC, Madeira L, Moritz JLW, Walz R, Linhares MN.

Postsurgical infection after myelomeningocele repair: a multivariate analysis of

consecutive cases. Clinical Neurology and Neurosurgery. 2012;114(7):981-5.

Bellusse GC, Ribeiro JC, Campos FR, Poveda VB, Galvão CM. Fatores

de risco de infecção da ferida operatória em neurocirurgia. Acta Paul

Enferm. 2015;28(1):66-73.

Pinto NC, Pinto FCG, Alho EJL, Yoshimura EM, Krebs VL J, Teixeira

MJ, et al. Estudo piloto em neonatos utilizando o laser de baixa

intensidade no pós-operatório imediato de mielomeningocele.

Einstein (São Paulo). 2010;8(1):5-9.

A nteby EY, Yagel S. Route of delivery of fetuses with structural

anomalies. Eur J Obstet Gynecol Reprod Biol. 2003;106:5-9.

Faraji M, Ashrafzadeh F, Ariamanesh A, Faraji S. Surgical outcome

of patients with meningomyelocele treated with a team approach.

Neurosurgery Q. 2006;16(2):160-7.

Bratzler DW, Dellinger EP, Olsen KM, Perl TM, Auwaerter PG, Bolon

MK, et al. Clinical practice guidelines for antimicrobial prophylaxis

in surgery. Am J Health Syst Pharm. 2013;70(3):195-283.

Olson MM, Lee JT. Continuous, 10-year wound infection surveillance.

Ann Surg. 1990;60:27-40.

Kshettry VRI, Kelly ML, Rosenbaum BP, Seicean A, Hwang L,

Weil RJ. Myelomeningocele: surgical trends and predictors of

outcome in the United States, 1988-2010. J Neurosurg Pediatrics.

;13(6):666-78.

Radcliff E, Cassell CH, Laditka SB, Thibadeau JK, Correia J, Grosse

SD, et al. Factors associated with the timeliness of postnatal surgical

repair of spina bifida. Childs Nerv Syst. 2016;32(8):1479-87.

Garcia LM, César ICO, Braga CA, Souza GAAD, Mota EC. Perfil

epidemiológico das infecções hospitalares por bactérias

multidrogarresistentes em um hospital do norte de Minas Gerais.

Rev Epidemiol Control Infect. 2013;3(2):45-9.




DOI: https://doi.org/10.5327/Z1414-4425201700010003

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Natalie Rosa Pires Neves, MARILENE EVANGELISTA CORRÊA NOLETO, VIRGÍNIA SOUSA RIBEIRO

Rev SOBECC, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2358-2871

Licença Creative Commons Revista SOBECC está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia