Úlcera por pressão no período transoperatório: ocorrência e fatores associados

Isabella Leonetti Saraiva

Resumo


Objetivos: Verificar a ocorrência de úlcera por pressão no Centro Cirúrgico e analisar os riscos e fatores associados. Método: Estudo retrospectivo, com abordagem quantitativa, baseado na análise de prontuários de pacientes que desenvolveram úlcera por pressão, entre janeiro e dezembro de 2011. Resultados: Quarenta pacientes (0,1%) desenvolveram úlcera por pressão, sendo a maioria do sexo masculino, com idade maior ou igual a 65 anos. As cirurgias mais realizadas foram as abdominais e cardíacas, na posição cirúrgica de decúbito dorsal horizontal, sob anestesia geral. A maioria dos pacientes teve algum risco para desenvolver úlcera por pressão, sendo a maior parte delas classificada em Estágio I, com incidência superior na região sacra. O principal dispositivo utilizado na prevenção foram os coxins. Conclusão: Embora a prevalência de úlcera por pressão nos pacientes da unidade de Centro Cirúrgico tenha sido baixa, o estudo evidencia uma realidade na qual o enfermeiro deve estar atento e planejar ações preventivas mais assertivas e resolutivas.

Palavras-chave


Úlcera por Pressão. Assistência Perioperatória. Período Perioperatório. Cuidados de Enfermagem.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Irion GL. Feridas: novas abordagens, manejo clínico e atlas em cores. Rio de Janeiro (RJ): Guanabara Koogan; 2005. Úlceras de pressão; p. 120-40.

Gomes FSL, Bastos MAR, Matozinhos FP, Temponi HR, Meléndez GV. Fatores associados à úlcera por pressão em pacientes internados nos centros de terapia intensiva de adultos. Rev Esc Enferm USP. 2010;44(4):1070-6.

Cremasco MF, Wenzel F, Sardinha FM, Zanei SSV, Whitaker IY. Úlcera por pressão: risco e gravidade do paciente e carga de trabalho de enfermagem. Acta Paul Enferm. 2009;22:897-902.

Souza TS, Maciel OB, Méier MJ, Danski MTR, Lacerda MR. Estudos clínicos sobre úlcera por pressão. Rev Bras Enferm. 2010;63(3):470-6.

Giglio MM, Martins AP, Dyniewicz AM. Análise do grau de dependência e predisposição à úlcera por pressão em pacientes de hospital universitário. Cogitare Enferm. 2007;12(1):62-8.

Louro M, Ferreira M, Póvoa P. Avaliação de protocolo de prevenção e tratamento de úlceras de pressão. Rev Bras Ter Intensiva. 2007;19(3):337-41.

Sousa, CA, Santos I, Silva LD. Aplicando recomendações da escala de Braden e prevenindo úlceras por pressão: evidências do cuidar em enfermagem. Rev Bras Enferm. 2006;59(3):279-84.

Araújo CRD, Lucena STM, Santos IBC, Soares MJGO. A enfermagem e a utilização da escala de Braden em úlcera por pressão. Rev Enferm UERJ. 2010;18(3):359-64.

Rocha ABL, Barros SMO. Avaliação de risco de úlcera por pressão: propriedades de medida da versão em português da escala de Waterlow. Acta Paul Enferm. 2007;20(2):143-50.

Gomes FSL, Bastos MAR, Matozinhos FP, Tempono HR, Meléndez GV. Avaliação de risco para úlcera por pressão em pacientes críticos. Rev Esc Enferm USP. 2011;19(1):58-63.

Walton-Geer PS. Prevention of pressure ulcers in the surgical patient. AORN. 2009;89(3):538-52.

Gonçalves LA, Padilha KG. Fatores associados à carga de trabalho de enfermagem em unidade de terapia intensiva. Rev Esc Enferm USP. 2007;41(4):645-52.

Anselmi ML, Peduzzi M, França Junior I. Incidência de úlcera por pressão e ações de enfermagem. Acta Paul Enferm. 2009;22(3):257-64.

Ursi ES, Galvão CM. Prevenção de lesões de pele no perioperatório: revisão integrativa da literatura. Rev Latino-Am Enferm. 2006;14(1):241-31.

Rocha JA, Miranda MJ, Andrade MJ. Abordagem terapêutica das úlceras de pressão: intervenções baseadas na evidência. Acta Med Port. 2006;19:29-38.

Moraes MW, Carvalho R. A inserção do centro cirúrgico na assistência à saúde. In: Carvalho R, Bianchi ERF, organizadoras. Enfermagem em centro cirúrgico e recuperação. Barueri (SP): Manole; 2010. p. 1-21.

Associação Brasileira de Enfermeiros de Centro Cirúrgico, Recuperação Anestésica e Centro de Material e Esterilização (SOBECC). Práticas recomendadas SOBECC: centro de material e esterilização, centro cirúrgico, recuperação pós-anestésica. 6 ed. São Paulo SOBECC/Manole; 2013. Parte II – Centro Cirúrgico, p. 114-255.

Bentlin AC, Grigoleto ARL, Avelar MCQ, Sundfeld MCK. Lesões de pele decorrentes do posicionamento cirúrgico no cliente idoso. Rev SOBECC. 2012;17(2):56-63.

Scarlatti KC, Michel JLM, Gamba MA, Gutiérrez MGR. Úlcera por pressão em pacientes submetidos à cirurgia: incidência e fatores associados. Rev Esc Enferm USP. 2011; 45(6):1372-9.

Carneiro GA, Leite RCBO. Lesões de pele no intra-operatório de cirurgia cardíaca: incidência e caracterização. Rev Esc Enferm USP. 2011;45(3):611-6.

Picatoste MJW, Barreira AS, Pestonit MTM, Villar SR, Baña MAP, Álvarez AMM et al. Efectividad de una intervención formativa en prevención de úlceras por presión en una unidad de cuidados intensivos quirúrgica: un estudio cuasi experimental. Madrid. Gerokomos. 2012;23(3):128-31.




DOI: https://doi.org/10.5327/Z1414-4425201400040006

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Isabella Leonetti Saraiva

Rev SOBECC, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2358-2871

Licença Creative Commons Revista SOBECC está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia