Processamento de produtos para saúde em centro de material e esterilização

Maria Zélia de Araújo Madeira, Ana Maria Ribeiro dos Santos, Odinéa Maria Amorim Batista, Flávia Tomaz Coelho Rodrigues

Resumo


Objetivo: Analisar o processamento de produtos para saúde em Centro de Material e Esterilização (CME) de Estabelecimentos de Assistência à Saúde do município de Teresina (PI), Brasil. Método: Estudo observacional analítico de seguimento transversal realizado em três estabelecimentos de assistência à saúde, por meio de uma entrevista com o profissional responsável pelo CME e da observação direta in loco, a partir de um roteiro. Resultados: Dois dos locais pesquisados apresentaram condições técnicas adequadas e um apresentou condições técnicas parcialmente adequadas. Os profissionais responsáveis relatavam quadro de pessoal insuficiente para a necessidade de trabalho. Conclusão: Observou‑se em um dos locais pesquisados o descumprimento das legislações vigentes, o que constitui infração sanitária e põe em risco a segurança do processo e do paciente, sendo necessárias adaptações estruturais e organizacionais. Além da necessidade de gerenciamento de recursos humanos.

Palavras-chave


Esterilização. Enfermagem. Segurança do paciente.

Texto completo:

PDF/A PDF/A (English)

Referências


Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução nº 15, de 15 de março de 2012. Dispõe sobre requisitos de boas práticas para o processamento de produtos para saúde e dá outras providências. Brasília: Diário Oficial da União; 2012.

Sociedade Brasileira de Enfermeiros de Centro Cirúrgico, Recuperação Anestésica e Centro de Material e Esterilização – SOBECC. Manual de Práticas Recomendadas da SOBECC. 6. ed. São Paulo: SOBECC; 2013.

Taube SAM, Labronici LM, Maftum MA, Méier MJ. Processo de Trabalho do Enfermeiro na Central de Material e Esterilização: percepção de estudantes de Graduação em Enfermagem. Cienc Cuid Saúde. 2008;7(4):558‑64.

Pezzi MCS, Leite JL. Investigação em Central de Material e Esterilização utilizando a Teoria Fundamentada em Dados. Rev Bras Enferm. 2010;63(3):391‑6.

Silva AC, Aguiar BGC. O Enfermeiro na Central de Material e Esterilização: uma visão das unidades consumidoras. Rev. Enferm. 2008;16(3):377‑81.

Tipple AFV, Pires FV, Guadagnin SVT, Melo DS. O monitoramento de processos físicos de esterilização em hospitais do interior do estado de Goiás. Rev Esc Enferm. 2011;45(3):751‑7.

Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Tecnologia da Organização dos Serviços de Saúde. Instrumento Nacional de Inspeção em Serviços de Saúde – INAISS. Centro de Material Esterilizado. [acesso em 2013 dez 17]. Disponível em: http://www.anvisa.gov.br/servicosaude/organiza/inaiss/index2.htm

Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução nº 50, de 21 de fevereiro de 2002. Dispõe sobre o Regulamento Técnico destinado ao planejamento, programação, elaboração, avaliação e aprovação de projetos físicos de estabelecimentos assistenciais de saúde. Brasília: Diário Oficial da União; 2002.

Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução nº 307, de 14 de novembro de 2002. Altera a Resolução ‑ RDC nº 50 de 21 de fevereiro de 2002. Brasília: Diário Oficial da União; 2002.

Brasil. Ministério do Trabalho e Emprego. Norma Regulamentadora 32, de 30 de agosto de 2011. Dispõe sobre segurança e saúde no trabalho em serviços de saúde. Brasília: Diário Oficial da União; 2011.

Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Diretrizes e Normas Regulamentadoras de Pesquisas Envolvendo Seres Humanos. Brasília: Diário Oficial da União; 2013.

Costa LFV, Freitas MIP. Reprocessamento de artigos críticos em unidades básicas de saúde: perfil do operador e ações envolvidas. Rev Bras Enferm. 2009;62(6):811‑9.

Taube SAM, Meier MJ. O processo de trabalho da enfermeira na central de material e esterilização. Acta Paul Enferm. 2007;20(4):470‑5.

Espíndola MCG, Fontana RT. Riscos ocupacionais e mecanismos de autocuidado do trabalhador de um centro de material e esterilização. Rev Gaúcha Enferm. 2012;33(1):116‑23.

Costa EAM, Costa EA. Risco e segurança sanitária: análise do reprocessamento de produtos médicos em hospitais de Salvador, BA. Rev Saúde Pública. 2012;46(5):800‑7.

Costa JA, Fugulin FMT. Atividades de enfermagem em centro de material e esterilização: contribuição para o dimensionamento de pessoal. Acta Paul Enferm. 2011;24(2):249‑56.

Martins VMF, Munari DB, Tipple AFV, Bezerra ALQ, Leite JL, Ribeiro LCM. Forças impulsoras e restritivas para trabalho em equipe em um Centro de Material e Esterilização de hospital escola. Rev Esc Enferm. 2011;45(5):1183‑90.

Ribeiro RP, Vianna LAC. Uso dos Equipamentos de Proteção Individual entre Trabalhadores das Centrais de Material e Esterilização. Cienc Cuid Saúde. 2012;11(Supl.):199‑203.


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Maria Zélia de Araújo Madeira, Ana Maria Ribeiro dos Santos, Odinéa Maria Amorim Batista, Flávia Tomaz Coelho Rodrigues

Rev SOBECC, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2358-2871

Licença Creative Commons Revista SOBECC está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia