A cultura de segurança do paciente na adesão ao protocolo da cirurgia segura

Arminda Rezende de Pádua Del Corona, Aparecida de Cássia Giani Peniche

Resumo


Objetivo: Analisar o papel determinante da cultura de segurança do paciente na adesão do Protocolo para Cirurgia Segura do Ministério da Saúde realizado pelas equipes cirúrgicas nas organizações de saúde. Método: Trata-se de uma reflexão teórica crítica, fundamentada em revisão narrativa da literatura científica. Resultados: O movimento mundial da segurança do paciente, promovido em 2004 pela Organização Mundial da Saúde, culminou com o Segundo Desafio Global “Cirurgia Segura Salva Vidas”, levando o governo brasileiro a lançar, em 2013, o Programa Nacional de Segurança do Paciente, no qual instituiu o Protocolo para Cirurgia Segura. Conclusão: É necessário mudar o paradigma da cultura da culpabilização para uma cultura justa diante dos incidentes relacionados aos cuidados em saúde para que a Lista de Verificação de Segurança Cirúrgica inserida nesse protocolo seja reconhecida e valorizada pelas equipes cirúrgicas.

Palavras-chave


Segurança do paciente. Cultura organizacional. Lista de checagem. Liderança.

Texto completo:

PDF/A PDF/A (English)

Referências


Wachter RM. Compreendendo a segurança do paciente. 2aed. Porto Alegre: AMGH; 2013.

Direção-Geral da Saúde. Ministério da Saúde (MS). Estrutura Concetual da Classificação Internacional sobre Segurança do Doente. [Relatório] [acesso em 15 jan. 2015]. Lisboa; 2011. Disponível em: http://proqualis.net/relatorio/estrutura-conceitual-da-classifica%C3%A7%C3%A3ointernacional-de-seguran%C3%A7a-do-paciente.

Reis CT. Cultura em segurança do paciente. In: Souza P, Mendes WJ. Segurança do paciente: criando organizações de saúde seguras. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2014. p.75-6.

Ferraz EM. A cirurgia segura: uma exigência do século XXI. Rev Col Bras. 2009;36(4):281-2.

Organização Mundial da Saúde (OMS). Segundo desafio global para segurança do paciente: cirurgia seguras salvam vidas. Rio de Janeiro: Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) e Ministério da Saúde (MS); Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA); 2010.

Mendes W, Martins M, Rozenfeld S, Travassos CR. The assessment of adverse events in hospitals in Brazil. Int J Qual Health Care. 2009;21(4):279-84.

Sousa P, Uva AS, Serranheira F, Leite E, Nunes C. Segurança do doente: eventos adversos em hospitais portugueses: estudo piloto de incidência, impacto e evitabilidade. Lisboa: Escola Nacional de Saúde Pública da Universidade de Lisboa; 2011.

Moura ML, Diego LA. Cirurgia segura. In: Souza P, Mendes WJ. Segurança do paciente: conhecendo os riscos nas organizações de saúde. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2014. p.187.

Gawande A. Chechlist: como fazer as coisas bem feitas. Rio de Janeiro: Sextante; 2011.

Trindade L, Lage MJ. A perspectiva histórica e principais desenvolvimentos da segurança do paciente. In: Souza P, Mendes WJ, organizadores. Segurança do paciente: conhecendo os riscos nas organizações de saúde. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2014. p.39-56.

Kawagoe JY, Gonçalves P. Prevenção e controle de infecção para Segurança do Paciente e Qualidade em Serviços de Saúde. In: Ministério da Saúde (MS). Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Assistência segura: uma reflexão teórica aplicada à prática. Brasília: Ministério da Saúde; 2013. p.151.

Fragata J. Segurança dos doentes: uma abordagem prática. Lisboa: Lidel - Zamboni; 2011.

Travassos C. Sessão 1: Segurança do Paciente/Doente, o que é? [Internet]. Rio de Janeiro: PROQUALIS/Fiocruz; 2012 [acesso em 03 mar 2015]. Disponível em: http://proqualis.net/aula/sess%C3%A3o-1-seguran%C3%A7a-do-pacientedoente-o-que-%C3%A9#.VKqFdjHF9Cg

Brasil. Ministério da Saúde. Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Documento de referência para o Programa Nacional de Segurança do Paciente [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2014 [acesso em 03 mar 2015]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/documento_referencia_programa_nacional_seguranca.pdf

Blog da Rede Sentinela. Histórico da rede [Internet]. Brasília; s/d [acesso em 03 mar 2015]. Disponível em: http://redesentinela-anvisa.blogspot.com.br/p/historico-da-rede.html

Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Resolução da Diretoria Colegiada - RDC nº 36, de 25 de julho de 2013. Institui ações para a segurança do paciente em serviços de saúde. Brasília: ANVISA; 2013 [acesso em 03 mar 2015]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2013/rdc0036_25_07_2013.html

Associação Brasileira de Enfermeiros de Centro Cirúrgico, Recuperação Anestésica e Centro de Material e Esterilização (SOBECC). Práticas recomendadas: centro de material e esterilização, centro cirúrgico, recuperação pós-anestésica. 6ªed. São Paulo: SOBECC; 2013.

Nieva VF, Sorra J. Safety culture assessment: a tool for improving patient safety in healthcare organizations. Qual Saf Health Care. 2003;12(Suppl 2):ii17-23.

Chassin MR, Loeb JM. The ongoing quality improvement journey: next stop, high reliability. Health Aff (Millwood). 2011;30(4):559-68.

Reason J. Human error: models and management. BMJ. 2000;320(7237):768-70.


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Arminda Rezende de Pádua Del Corona, Aparecida de Cássia Giani Peniche

Rev SOBECC, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2358-2871

Licença Creative Commons Revista SOBECC está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia