Resultados de dez anos de atendimento ambulatorial a pacientes com ferida cirúrgica

José Ferreira Pires Júnior1, Eline Lima Borges, Aidê Ferreira Ferraz, Vera Lúcia de Araújo Nogueira Lima

Resumo


Objetivo: Identificar a taxa de cicatrização de ferida cirúrgica complexa e caracterizar esses pacientes. Método: Estudo tipo descritivo exploratório e retrospectivo, realizado em um serviço ambulatorial de um hospital de grande porte de 2003 a 2013, com amostra de 138 pacientes com idade igual ou superior a 18 anos e ferida localizada na região da mama e abdome. Resultados: A taxa de cicatrização foi de 71,74%, com tempo médio de tratamento de 3 meses. A maioria era do sexo feminino, de cor parda, casada, com média de idade 47,4 anos e baixa escolaridade. O câncer foi o principal motivo para a cirurgia. Conclusão: A maioria dos pacientes recebeu alta com a ferida cicatrizada. O conhecimento produzido com o estudo poderá contribuir para o fortalecimento da prática clínica dos enfermeiros quanto à importância da avaliação dos pacientes com ferida cirúrgica e tempo esperado para a cicatrização das mesmas.

Palavras-chave


Cicatrização. Deiscência da ferida operatória. Enfermagem. Fatores de risco.

Texto completo:

PDF/A PDF/A (English)

Referências


Korting HC, Schöllmann C, White RJ. Management of minor acute cutaneous wounds: importance of wound healing in a moist environment. J Eur Acad Dermatol Venereol. 2011;25(2):130-7.

Ali M, Saeeda, Israr M, Niamat-ullah H. Frequency of abdominal wound dehiscence and role of wound infection as a major causative factor. Pak j surg. 2014;30(1):4-8.

Ramneesh G, Sheerin S, Surinder S, Bir S. A prospective study of predictors for post-laparotomy abdominal wound dehiscence. J Clin Diagn Res. 2014;8(1):80-3.

Kenig J, Richter P, Lasek A, Zbierska K, Zurawska S. The efficacy of risk scores for predicting abdominal wound dehiscence: a casecontrolled validation study. BMC surgery. 2014;14(65):1-6.

Khorgami Z, Shoar S, Laghaie B, Aminian A, Araghi NH, Soroush A. Prophylactic retention sutures in midline laparotomy in high-risk patients for wound dehiscence: a randomized controlled trial. J Surg Res. 2013;180(2):238-43.

Carvalho DV, Borges EL. Tratamento ambulatorial de pacientes com ferida cirúrgica abdominal e pélvica. REME rev. min. enferm. 2011;15(1):25-33.

Novetsky AP, Zighelboim I, Guntupalli SR, Ioffe YJ, Kizer NT, Hagemann AR, et al. A phase II trial of a surgical protocol to decrease the incidence of wound complications in obese gynecologic oncology patients. Gynecol oncol. 2014;134(2):233-7.

Brasil. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Síntese de indicadores sociais 2014 - Uma análise das condições de vida da população brasileira. Rio de Janeiro: Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão; 2014.

World Health Organization (WHO). Global strategy on diet, physical activity and health. Geneva: WHO; 2004.

Graf K, Ott E, Vonberg RP, Kuehn C, Haverich A, Chaberny IF. Economic aspects of deep sternal wound infections. Eur J Cardiothorac Surg. 2010;37(4):893-6.

Lázaro-da-Silva A, Vieira RG, Anjos GC. Recidiva da hérnia incisional após o tratamento pela transposição peritonioaponeurótica longitudinal bilateral. Arq. Gastroenterol. 2004; 41(2):134-6.

Manuel J, Kokuba EN, Sabino Neto M, Santos AS, Ferreira LM. Perfil de pacientes submetidas à reconstrução mamária tardia atendidas em hospital universitário do município de São Paulo. Saúde Coletiva. 2010;7(39):82-6.

Souza MKB, Matos IAT. Percepção do portador de feridas crônicas sobre sua sexualidade. Rev Enferm UERJ. 2010;18(1):19-24.

Amaral AV, Melo RMM, Santos NO, Lôbo RCMM, Benute GRG, Lucia MCS, et al. Qualidade de vida em mulheres mastectomizadas: as marcas de uma nova identidade impressa no corpo. Psicol. hosp. 2009;7(2):36-54.

Van Ramshorst GH, Nieuwenhuizen J, Hop WCJ, Arends P, Boom J, Jeekel J, Lange JF. Abdominal Wound Dehiscence in Adults: Development and Validation of a Risk Model. World J Surg. 2010;34(1):20-7.

Dias CA, Burgos MGPA. Diagnóstico nutricional de pacientes cirúrgicos. ABCD, arq. bras. cir. dig. 2009;22(1):2-6.

Amaral AFS, Pulido KCS, Santos VLCG. Prevalência de lesões por fricção em pacientes hospitalizados com câncer. Rev. esc. enferm. USP. 2012;46(spe):44-50.

Afzal S, Bashir MM. Determinants of wound dehiscence in abdominal surgery in public sector hospital. Annals. 2008;14(3):110-5.

Dumville JC, Crosbie EJ, Peinemann F, Owens GL. Negative pressure wound therapy for treating surgical wounds healing by secondary intention (open surgical wounds). The Cochrane Library. [Internet] 2014. [acesso em 2015 Set 11]. Disponível em: http://www.cochrane.org/CD011278/WOUNDS_negative-pressure-wound-therapy-fortreating-surgical-wounds-healing-by-secondary-intention-opensurgical-wounds.


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 José Ferreira Pires Júnior1, Eline Lima Borges, Aidê Ferreira Ferraz, Vera Lúcia de Araújo Nogueira Lima

Rev SOBECC, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2358-2871

Licença Creative Commons Revista SOBECC está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia