Fumaça cirúrgica no intraoperatório: medidas de segurança ocupacional propostas por enfermeiros especialistas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5327/Z1414-4425202100040005

Palavras-chave:

Fumaça, Eletrocoagulação, Saúde do Trabalhador, Tecnologia Biomédica, Período Intraoperatório

Resumo

Objetivo: Descrever medidas propostas por enfermeiros especialistas em centro cirúrgico (CC) para reduzir a inalação de fumaça proveniente
da eletrocoagulação no intraoperatório e melhorar a segurança ocupacional. Método: Estudo qualitativo, com dados oriundos de reunião científica com
especialistas em CC realizada em 2019, em São Paulo, com duração de uma hora, gravada em áudio, acerca da inalação de fumaça oriunda da eletrocoagulação. Participaram enfermeiros especialistas em CC, divididos aleatoriamente em quatro grupos. Considerou-se a indisponibilidade para participar da
reunião na íntegra um critério de exclusão. Compuseram o corpus de dados: gravação da reunião e registros dos grupos, e procedeu-se a análise temática.
Resultados: Participaram 21 enfermeiros de sete estados brasileiros, a maioria mulheres. Foram apontadas medidas para diminuir a inalação de fumaça
e melhorar segurança ocupacional: tecnologia para reduzir e/ou aspirar fumaça; máscara N95; sistema de exaustão de sala; estabelecimento de normativas; educação permanente. Conclusão: Medidas para reduzir a inalação de fumaça e aumentar a segurança da equipe no intraoperatório incluem tecnologias para reduzir a fumaça, uso de equipamentos de proteção individual, estabelecimento de normativas e educação permanente.
Palavras-chave: Fumaça. Eletrocoagulação. Saúde do trabalhador. Enfermagem perioperatória. Período intraoperatório.

Biografia do Autor

Patrícia Treviso, Universidade do Vale dos Sinos - UNISINOS, RS

Doutora em Ciências da Saúde. Professora da Graduação e Mestrado Profissional em Enfermagem.

 

Brenda Carvalho Peradotto, Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS)

Acadêmica de Enfermagem (UNISINOS)

Juliana Vargas Campiol, Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS)

Acadêmica de Biomedicina (UNISINOS)

Neide da Silva Knihs, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Doutora em Ciências da Saúde (UNIFESP)

Professora na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Marcia Cristina de Oliveira Pereira, Hospital BP Paulista – Beneficência portuguesa de São Paulo.

Mestre em Saúde do adulto (USP)

Giovana Abrahão de Araújo Moriya, Sabará Hospital Infantil

Doutora em Ciências da Saúde (EE-USP)

Referências

Liu Y, Song Y, Hu X, Yan L, Zhu X. Awareness of surgical smoke hazards and enhancement of surgical smoke prevention among the gynecologists. J Cancer. 2019;10(12):2788-99. DOI: 10.7150/jca.31464

Tan E, Russell K. Surgical plume and its implications: A review of the risk and barriers to a safe work place. J Perioper Nurs. 2017;30(4):33-9. DOI: 10.26550/2209-1092.1019

Liu Y, Zhao M, Shao Y, Yan L, Zhu X. Chemical composition of surgical smoke produced during Loop electrosurgical excision procedure treating cervical intraepithelial neoplasia. 2021;1-19. DOI: 10.21203/rs.2.20593/v1

Okubo CVC, Ribeiro RP, Martins JT, Marziale MHP. Hidrocarbonetos policíclicos aromáticos: correlação entre tempo de uso do eletrocautério e tempo cirúrgico. Cogitare Enferm. 2017;22(3). DOI: 10.5380/ce.v22i3.50115

Andréasson SN, Mahteme H, Sahlberg B, Anundi H. Polycyclic aromatic hydrocarbons in electrocautery smoke during peritonectomy procedures. J Environ Public Health. 2012;2012. DOI: 10.1155/2012/929053

Petrus M, Bratu AM, Patachia M, Dumitras DC. Spectroscopic analysis of surgical smoke produced in vitro by laser vaporization of animal tissues in a closed gaseous environment. Rom Reports Phys. 2015;67(3):954-65. [cited 25 mar 2021]. Available from: http://www.rrp.infim.ro/2015_67_3/A17.pdf

Mowbray N, Ansell J, Warren N, Wall P, Torkington J. Is surgical smoke harmful to theater staff? A systematic review. Surg Endosc. 2013;27(9):3100-7. DOI: 10.1007/s00464-013-2940-5

Casey VJ, Martin C, Curtin P, Buckley K, McNamara LM. Comparison of surgical smoke generated during electrosurgery with aerosolized particulates from ultrasonic and high-speed cutting. Ann Biomed Eng. 2021;49(2):560-72. DOI: 10.1007/s10439-020-w

Lewin JM, Brauer JA, Ostad A. Surgical smoke and the dermatologist. J Am Acad Dermatol. 2011;65(3):636-41. DOI: 10.1016/j.jaad.2010.11.017

McQuail PM, McCartney BS, Baker JF, Kenny P. Diathermy awareness among surgeons – an analysis in Ireland. Ann Med Surg. 2016;12:54-9. DOI: 10.1016/j.amsu.2016.10.006

Gao S, Koehler RH, Yermakov M, Grinshpun SA. Performance of facepiece respirators and surgical masks against surgical smoke: Simulated workplace protection factor study. Ann Occup Hyg. 2016;60(5):608-18. DOI: 10.1093/annhyg/mew006

Ilce A, Yuzden GE, Giersbergen MY. The examination of problems experienced by nurses and doctors associated with exposure to surgical smoke and the necessary precautions. J Clin Nurs. 2017;26(11–12):1555-61. DOI: 10.1111/jocn.13455

Stanganelli NC, Bieniek AA, Margatho AS, Galdino MJQ, Barbosa KH, Ribeiro RP. Inalação da fumaça cirúrgica: coorte de sinais e sintomas em residentes. Acta Paul Enferm. 2019;32(4):382-9. DOI: 10.1590/1982-0194201900053

Mendes KDS, Silveira RCCP, Galvão CM. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto & Contexto Enferm. 2008;17(4):758-64. DOI: 10.1590/S0104-07072008000400018

Tricco AC, Lillie E, Zarin W, O’Brien KK, Colquhoun H, Levac D, et al. PRISMA Extension for Scoping Reviews (PRISMA-ScR): checklist and explanation. Ann Intern Med. 2018;2(7):467-473. DOI: 10.7326/M18-0850

Oxford Centre for Evidence-based Medicine. Levels of Evidence Working Group [Internet]. Oxford: CEBM; 2011. [cited 20 mar 2021]. Available from: https://www.cebm.ox.ac.uk/resources/levels-of-evidence/ocebm-levels-of-evidence

Claudio CV, Ribeiro RP, Martins JT, Marziale MHP, Solci MC, Dalmas JC. Hidrocarbonetos policíclicos aromáticos produzidos pela fumaça do eletrocautério e uso de equipamentos de proteção individual. Rev Lat Am Enfermagem. 2017;25. DOI: 10.1590/1518-8345.1561.2853

Hu X, Zhou Q, Yu J, Wang J, Tu Q, Zhu X. Prevalence of HPV infections in surgical smoke exposed gynecologists. Int Arch Occup Environ Health. 2020;94(1):107-15. [cited 21 mar 2021]. Available from: https://link.springer.com/article/10.1007/s00420-020-01568-9

Michaelis M, Hofmann FM, Nienhaus A, Eickmann U. Surgical smoke—hazard perceptions and protective measures in german operating rooms. Int J Environ Res Public Health. 2020;17(2). DOI: 10.3390/ijerph17020515

Weld KJ, Dryer S, Ames CD, Cho K, Hogan C, Lee M, et al. Analysis of surgical smoke produced by various energy-based instruments and effect on laparoscopic visibility. J Endourol. 2007;21(3):347-51. DOI: 10.1089/end.2006.9994

Sociedade Brasileira de Enfermeiros de Centro Cirúrgico, Recuperação Anestésica e Centro de Material e Esterilização (SOBECC). Diretrizes de práticas em enfermagem cirúrgica e processamento de produtos para a saúde - SOBECC. 7. ed. Rev. e atual. São Paulo (SP): Manole; 2017.

Publicado

2022-04-08

Como Citar

Treviso, P., Peradotto, B. C., Campiol, J. V., Knihs, N. da S., Pereira, M. C. de O., & Moriya, G. A. de A. (2022). Fumaça cirúrgica no intraoperatório: medidas de segurança ocupacional propostas por enfermeiros especialistas. Revista SOBECC, 26(4). https://doi.org/10.5327/Z1414-4425202100040005

Edição

Seção

Artigos Originais