Vivência do obeso mórbido submetido à cirurgia bariátrica

Emilly Souza Marques, Isabel Comassetto, Ana Cristina Mancussi e Faro

Resumo


Objetivo: Este estudo teve como objetivo compreender a vivência do obeso mórbido submetido à cirurgia bariátrica. Método: Optou-se pela fenomenologia existencial como referencial de Martin Heidegger. Foram entrevistados dez sujeitos, de março a novembro de 2011, inscritos no serviço de cirurgia bariátrica de um hospital de ensino em Maceió, Alagoas. Resultados: Dos discursos, emergiram quatro categorias que constituíram os elementos da vivência: Necessitando da cirurgia; Preparando-se para a cirurgia; Vivenciando a perspectiva da cirurgia; Despertando para uma nova vida. Conclusão: Conclui-se, portanto, que a vivência é permeada por um processo difícil. Torna-se, então, fundamental uma assistência integral durante todo o processo da cirurgia bariátrica para a superação das possíveis complicações até a conquista de uma nova vida.

Palavras-chave


Enfermagem. Obesidade mórbida. Cirurgia bariátrica.

Texto completo:

PDF/A PDF/A (English)

Referências


World Health Organization. World Health Statistics 2012 [Internet]. 2012 [acesso em 2013 abr 11]. Disponível em: http://www.who.int/gho/publications/world_health_statistics /2012/en/

B rasil. Ministério da Saúde. Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico. Brasília: Ministério da Saúde, 2011.

Brasil.Ministério da Saúde. Portaria GM n. 628, de 26 de abril de 2001. Aprova o protocolo de Indicação de Tratamento Cirúrgico da Obesidade Mórbida – Gastroplastia no âmbito do Sistema Único de Saúde – SUS. Brasília: Ministério da Saúde, 2001.

Blume CA, Boni CC, Casagrande DS, Rizzolli J, Padoin AV , Mottin CC. Nutritional profile of patients before and after Roux-en-Y gastric bypass: 3-year follow-up. Obes Surg. 2012;22(11):1676-85.

B rasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Portaria 492 de 31 de agosto de 2007: define unidade de assistência de alta complexidade ao paciente portador de obesidade grave. Brasília: Ministério da Saúde, 2007.

Tenani AC, Pinto MH. A importância do conhecimento do cliente sobre o enfrentamento do tratamento cirúrgico. Arq Ciênc Saúde. 2007;14(2):81-7.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: obesidade. Cadernos de Atenção Básica, n. 38. Brasília: Ministério da Saúde, 2014.

Tanaka DS, Peniche ACG. Perioperative care for morbid obese patient undergoing bariatric surgery: challenges for nurses. Acta Paul Enferm. 2009;22(5):618-23.

Schmitt MT. Cirurgia da obesidade mórbida: atuação da enfermeira em uma equipe multidisciplinar. Rev SOBECC. 2004;9(4):15-8.

Rodrigues RT, Lacerda RA, Leite RB, Graziano KU, Padilha KG. [Intraoperative nursing in bariatric surgery: Integrative review]. Rev Esc Enferm USP. 2012;46:138-47. Portuguese.

Heidegger M. Ser e Tempo. 5ª edição. São Paulo: Vozes; 2011.

J osgrilberg RS. O método fenomenológico e as ciências humanas. In: Castro DSP, Pokladek DD, Azar FP, Piccino JD, Josgrilberg RS, organizadores. Fenomenologia e análise do existir. São Paulo: Sobraphe; 2000. p. 75-93.

Kelles SMB. Cirurgia bariátrica: mortalidade, utilização de serviços e custos. Estudo de caso em uma grande operadora do sistema de saúde suplementar no Brasil [dissertação]. Minas Gerais: Universidade Federal de Minas Gerais, 2009.

A gra G, Henriques ME RM. Vivência de mulheres que se submetem à gastroplastia. Rev Eletr Enferm. 2009;11(14):982-92.

L ima LB, Busin L. O cuidado humanizado sob a perspectiva de enfermeiras em unidade de recuperação pós-anestésica. Rev Gaúcha Enferm. 2008;29(1):90-7.

Dall’Agnol CM, Resta DG, Zanatta E, Schrank G, Maffacciolli R. O trabalho com grupos como instância de aprendizagem em saúde. Rev Gaúcha Enferm. 2007;28(1):21-6.

Gushiken CS, Vulcano DSB, Tardivo AP, Jr. Rasera I, Leite CVS, Oliveira MRM. Evolução da perda de peso entre indivíduos da fila de espera para a cirurgia bariátrica em um ambulatório multidisciplinar de atenção secundária à saúde. Medicina (Ribeirão Preto).2010; 43(1):20-8.

M ello BS, Lucena AF, Echer IC, Luzia MF. Pacientes com câncer gástrico submetidos à gastrectomia: uma revisão integrativa. Rev Gaúcha Enferm. 2010;31(4):803-11.

Costa LS, Liberali R. Avaliação da qualidade de vida na obesidade. RBONE . 2008;2(9):232-9.


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Emilly Souza Marques, Isabel Comassetto, Ana Cristina Mancussi e Faro

Rev SOBECC, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2358-2871

Licença Creative Commons Revista SOBECC está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia