Segurança do paciente no contexto da recuperação pós-anestésica: um estudo convergente assistencial

Suelem Klein, Denise Consuelo Moser Aguiar, Gelson Aguiar da Silva Moser, Marceli Cleunice Hanauer, Suellen Rodrigues de Oliveira

Resumo


Objetivo: Verificar o conhecimento dos profissionais de enfermagem no que concerne à segurança do paciente na Sala de Recuperação Pós-Anestésica (SRPA), após a implantação de um protocolo assistencial no referido setor. Método: Trata-se de um estudo descritivo, exploratório, com abordagem qualitativa, do tipo convergente assistencial, envolvendo sete profissionais da equipe de enfermagem, atuantes na SRPA de um hospital do oeste catarinense. Resultados: Com base nos achados, surgiram duas categorias: “Segurança do paciente na sala de recuperação pós-anestésica” e “Protocolos Assistenciais” (PA), que proporcionaram efetividade de tais protocolos na sistematização do processo de cuidar, considerando, tanto a segurança do paciente, quanto a do profissional. Conclusão: A aplicação do protocolo, por meio de checklist, além de nortear as ações da equipe, possibilitou que estas ocorressem de forma sistemática e rápida, levando-se em conta a complexidade do atendimento na SRPA.


Texto completo:

PDF PDF/A (English)

Referências


Organização Mundial da Saúde (OMS). Segundo Desafio Global para a Segurança do Paciente: Cirurgias Seguras Salvam Vidas. Rio de Janeiro: Organização PanAmericana da Saúde; Ministério da saúde; Agência Nacional de Vigilância Sanitária. 2009.

Brasil. Ministério da Saúde. Institui o Programa Nacional de Segurança do Paciente. Portaria n. 529, de 1º de abril de 2013a. Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2013/prt0529_01_04_2013.html

Bonfim IM, Malagutti W. Recuperação Pós-Anestésica: assistência especializada no Centro Cirúrgico. 1ª ed. São Paulo: Martinari, 2010.

SOBECC. Sociedade Brasileira de Enfermeiros de Centro Cirúrgico, Recuperação Anestésica e Centro de Material de Esterilização. Práticas Recomendadas SOBECC. 6ª ed. revisada e atualizada. São Paulo: SOBECC, 2013.

Amaya MR, Paixão DPSS, Sarquis LMM, Cruz EDA. Construção e validação de conteúdo de checklist para a segurança do paciente em emergência. Rev Gaúcha Enferm. 2016;37(esp):e68778.

Wachter RM. Compreendendo a Segurança do Paciente. 2ª ed. Porto Alegre: AMGH, 2013.

Fassarella CS, Ferreira SS, Camerini FG, Henrique DM, Luna AA, Almeida LF. Profissionais mediadores da qualidade e segurança do paciente como estratégia para o cuidado seguro. Rev Min Enferm. 2017; 21:e-1068.

Conselho Federal de Enfermagem. Dispõe sobre a regulamentação do exercício da enfermagem, e dá outras providências. Lei n. 7498 de 25 de junho de 1986. Disponível em http://www.jusbrasil.com.br/legislacao/128195/lei-7498-86

Trentini M, Paim L, Silva DMG. Pesquisa Convergente assistencial: delineamento provocador de mudanças nas práticas de saúde. 3. ed. Porto alegre: Moriá, 2014.

Brasil. Ministério da Saúde. Aprova as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Resolução n. 466, de 12 de dezembro de 2012c. Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/res0466_12_12_2012.html

Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: edições 70, 2011.

Rothrock JC. Alexander, Cuidados de Enfermagem ao Paciente Cirúrgico.

ªed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2007.

Loro MM, Bittencourt VLL, Zeitoune RCG. Pesquisa convergente assistencial: equipe de enfermagem compartilhando saberes sobre riscos ocupacionais e propondo intervenções. REME – Rev Min Enferm. 2017;21:e-1044.

Vendramini RCR et al. Segurança do paciente em cirurgia oncológica: experiência do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo. Rev Esc Enferm USP. 2010; 44(3): 827-32.

Werneck MAF, Faria HP, Campos KFC. Protocolos de cuidado e de organização do serviço. 2ª ed. Belo Horizonte: Nescon/UFMG, 2013.

Aiken LH, Clarke SP, Cheung RB, Sloane DM, Silber JH. Educational levels of hospital nurses and surgical patient mortally. Jama. 2003; 290 (12): 1617-23.

Cunha ALSM, Peniche ACG. Validação de um Instrumento de Registro para sala de recuperação pós-anestésica. Acta Paulista Enfermagem. 2007; 20(2): 151-60.

Tannure MC. Sistematização da Assistência de Enfermagem: Guia Prático. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2008.

Reis AM, Marques TC, Opitz SP, Silva AE, Gimenes FR, Teixeira TC et al. Errors in medicine administration profile of medicines: knowing and preventing. Acta Paulista de Enfermagem. 2010;23(2):181-186.

Paixão DPSS, Batista J, Maziero ECS, Alpendre FT, Amaya MR, Cruz EDA. Adhesion to patient safety protocols in emergency care units. Rev Bras Enferm. 2018;71(1):577-84.

Paiva MCMS, Paiva SAR, Berti HW. Eventos adversos: análise de um instrumento de notificação utilizado no gerenciamento de enfermagem. Revista Escola de Enfermagem da USP. São Paulo. 2010;44(2):287-94.

Cuadros KC, Padilha KG, Toffoletto MC, Henriquez-Roldán C, Canales MAJ. Patient Safety Incidents and Nursing Workload. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2017;25:e2841.

Brasil. Ministério da Saúde. Documento de Referência para o Programa Nacional de Segurança do Paciente. Fundação Oswaldo Cruz; Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Brasília: Ministério da Saúde, 2014.




DOI: https://doi.org/10.5327/Z1414-4425201900030006

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Marceli Cleunice Hanauer, Suelem Klein, Denise Consuelo Moser Aguiar, Gelson Aguiar da Silva Moser, Suellen Rodrigues de Oliveira, Bruno Da Silva Santos

Rev SOBECC, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2358-2871

Licença Creative Commons Revista SOBECC está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia