Sistemática para racionalização de instrumentais de bandejas cirúrgicas

Daniela Silva dos Santos Schneider, Michel José Anzanello, Rosane Silva Veiga Pirovano, Flávio Sanson Fogliatto

Resumo


Objetivo: Relatar a experiência de desenvolver uma sistemática para racionalização de instrumentais em bandejas cirúrgicas. Método: Estudo
de desenvolvimento de sistemática para racionalização de instrumentais, realizado em 2015, a partir do método qualitativo, em um centro de materiais
e esterilização (CME) de um hospital universitário federal de Porto Alegre, Brasil. Resultados: Houve redução média do quantitativo de instrumentais
em bandejas institucionais em 10,92%; diminuição de bandejas de propriedade das equipes médicas, sendo 84,06% pertencentes à equipe da otorrinolaringologia;
e inativação definitiva de 369 instrumentais da cirurgia ortopédica, o que significou 72,84% do total dos instrumentais inativados. Além disso,
houve condução de melhorias no gerenciamento de instrumentais, otimização do tempo de preparo e redução da esterilização por expiração do prazo
de utilização. Conclusão: A realocação de instrumentais e o acréscimo de peças em bandejas específicas permitiu a reavaliação das solicitações de compras
de instrumentais e a melhoria das relações entre as equipes. Essa sistemática contribuiu significativamente para o gerenciamento de instrumentais,
otimizando processos e envolvendo as equipes cirúrgicas no trabalho do CME e evidenciou que pode ser aplicada em outras instituições.


Palavras-chave


Enfermagem; Centro de material e esterilização

Texto completo:

PDF PDF/A (English)

Referências


Graziano KU, Lacerda RA, Turrini RTN, Calicchio LG. Indicadores de

qualidade do centro de material e esterilização. In: Graziano KU,

Silva A, Pasltikidis EM, eds. Enfermagem em centro de material e

esterilização. Barueri: Manole; 2011. p. 284-300. Capítulo 13.

Possari JF. Centro cirúrgico: planejamento, organização e gestão.

a ed. São Paulo: Iátria; 2010.

Associação Paulista de Epidemiologia e Controle de Infecção

Relacionada à Assistência à Saúde (APECIH). Limpeza, desinfecção

e esterilização de artigos em serviços de saúde. São Paulo:

APECIH; 2010.

Brasil. Ministério da Saúde (MS). Agencia Nacional de Vigilância

Sanitária (ANVISA). Resolução de Diretoria Colegiada RDC n. 15, de

de março de 2012. Dispõe sobre requisitos de boas práticas para

o processamento de produtos para saúde e dá outras providências.

Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2012.

Bronzatti JAG, Turrini RNTT, Moriya GAA . Controle de instrumental no

centro de material e esterilização. In: Graziano KU, Silva A, Psaltikidis

EM, eds. Enfermagem em centro de material e esterilização. São

Paulo: Manole; 2011. p. 263-84.

Associação Brasileira de Enfermeiros de Centro Cirúrgico, Recuperação

Anestésica e Centro de Material e Esterilização (SOBECC). Diretrizes

de práticas em enfermagem cirúrgica e processamento de produtos

para a saúde. 7a ed. Baruei: Manole; São Paulo: SOBECC; 2017.

Farrokhi RF, Gunther M, Williams B, Blackmore CC. Application of

lean methodology for improved quality and efficiency in operating

room instrument availability. J Healthc Qual. 2015;37(5):277-86.

DOI: 10.1111/jhq.12053

Greenberg JA, Wylie B, Robinson JN. A pilot study to assess the

adequacy of the Brigham 20 Kit for cesarean delivery. Int J Gynaecol

Obstet. 2012;117(2):157-9. DOI: 10.1016/j.ijgo.2011.12.007

Reymondon F, Pellet B, Marcon E. Optimization of hospital sterilization

costs proposing new grouping choices of medical devices into

packages. Int J Prod Econ. 2008;112(1):326-35.

Cardoen B, Beliën J, Vanhoucke M. On the design of custom packs:

grouping of medical disposable items for surgeries. Int J Prod Res.

;53(24):7343-59. https://doi.org/10.1080/00207543.2015.1061221

Agard B, Penz B. A simulated annealing method based on a clustering

approach to determine bills of materials for a large product family. Int

J Prod Econ. 2009;117(2):389-401. DOI: 10.1016/j.ijpe.2008.12.004

Dobson G, Froix A, Seidmann A, Tilson V, Froix A. Configuring

surgical instrument trays to reduce costs. IISE Trans Health Syst Eng.

;5(4):225-37. https://doi.org/10.1080/19488300.2015.1094759

Keptner KM. Mixed methods design: a beginner’s guide. The Qualitative

Report. 2011;16(2):593-95.

Ressel LB, Beck CLC, Gualda DMR, Hoffmann IC, Silva RMD, Sehnem GD.

O uso do grupo focal em pesquisa qualitativa. Texto & Contexto Enferm.

;17(4):779-86. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072008000400021

Barbour R. Grupos Focais. Porto Alegre: Artmed; 2009. 216p.

Fogliatto FS, Anzanello MJ, Tortorella GL, Schneider DS, Pereira

CG, Schaan BD. A Six Sigma approach to analyze time-to-assembly

variance of surgical trays in a sterile services department. J Healthc

Qual. 2017 Mar 24. DOI: 10.1097/JHQ.0000000000000078




DOI: https://doi.org/10.5327/Z1414-4425201800010009

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Daniela Silva dos Santos Schneider

Rev SOBECC, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2358-2871

Licença Creative Commons Revista SOBECC está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia