Biossegurança no centro de materiais e esterilização: dúvidas dos profissionais*

Solinei Paulo Borgheti, Karin Viegas, Rita Catalina Aquino Caregnato

Resumo


Objetivos: Conhecer as dúvidas dos profissionais da saúde sobre biossegurança no Centro de Materiais e Esterilização (CME) e refletir sobre as respostas emitidas. Método: Estudo exploratório descritivo qualitativo. O cenário da pesquisa foi um site nacional reconhecido que dispõe uma lista de discussão por e-mail. O corpus foram 2.260 mensagens enviadas à lista de discussão em 2014; a amostra foi composta por 109 mensagens com conteúdo relacionado à biossegurança no CME. Utilizou-se para interpretação dos dados a Análise de Conteúdo de Bardin. Resultados: Na análise emergiram quatro categorias temáticas das dúvidas mais frequentes denominadas: soluções; equipamentos e materiais; Legislação; e validação do processo. Evidenciou-se forte relação entre CME e Controle de Infecção Hospitalar (CIH), tanto nos questionamentos quanto nas respostas. Conclusão: A maioria dos profissionais que encaminharam dúvidas foram enfermeiros. As dúvidas mais frequentes sobre biossegurança relacionavam-se a soluções usadas, equipamentos e materiais. As respostas foram fundamentadas na legislação vigente e emitidas por profissionais com experiência. Palavras-chave: Segurança de equipamentos médicos. Enfermagem. Material.


Palavras-chave


Segurança de equipamentos médicos. Enfermagem. Material.

Texto completo:

PDF PDF/A (English)

Referências


Cararro TE, Gelbcke FL, Sebold LF, Kempfer SS, Zapelini MC, Waterkemper R. A biossegurança e segurança do paciente na visão de acadêmicos de enfermagem. Rev Gaúcha Enferm. 2012;33(3):14-9.

Bartolomei SRT, Lacerda RA. Trabalho do enfermeiro no Centro de Material e seu lugar no processo de cuidar pela enfermagem. Rev Esc Enferm USP. 2006;40(3):412-7.

Pereira MEC, Jurberg C, Soeiro MNC, Borba CM. A estruturação do Programa de Capacitação Profissional de Biossegurança no contexto do Projeto de Modernização da Gestão Científica do Instituto Oswaldo Cruz. Saúde Soc. 2010;19(2):440-8.

Ministério do Trabalho e Emprego (BR). Norma Regulamentadora nº 32. Portaria nº 485, de 11 de novembro de 2005. Estabelece as diretrizes básicas para a implementação de medidas de proteção à segurança e à saúde dos trabalhadores dos serviços de saúde, bem como daqueles que exercem atividades de promoção e assistência à saúde em geral. Brasília, DF: MTE; 2005.

Santos MR, Ribeiro RP, Martins MB, Nascimento LA, Martins JT, Broff MCC. Avaliação da implantação da Norma Regulamentadora 32 em um Hospital universitário. Cogitare Enferm. 2012 Jul-Set;17(3):524-30.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução nº 15, de 15 de março de 2012. Dispõe sobre requisitos de boas práticas para o processamento de produtos para saúde e dá outras providências. Brasília, DF: Anvisa; 2012.

Silva AC, Aguiar BGC. O enfermeiro na Central de Material e Esterilização: uma visão das unidades consumidoras. Rev Enferm UERJ. 2008 Jul-Set;16(3):377-81.

Brand CI, Fontana RT. Biossegurança na perspectiva da equipe de enfermagem de Unidades de Tratamento Intensivo. Rev Bras Enferm. 2014;67(1):78-84.

Martins VMF, Munari DB, Tipple AFV, Bezerra ALQ, Leite JL, Ribeiro LCM. Forças impulsoras e restritivas para trabalho em equipe em um Centro de Material e Esterilização de hospital escola. Rev Esc Enferm USP. 2011 Out;45(5):1179-86.

Gallas SR, Fontana RT. Biossegurança e a enfermagem nos cuidados clínicos: contribuições para a saúde do trabalhador. Rev Bras Enferm. 2010 Out;63(5):786-92.

Bardin L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70; 2011.

Schmidt DRC, Yonekura ONEKURA CSI, Gil RF. Instrumento para avaliação de detergentes enzimáticos. Rev Esc Enferm USP. 2008;42(2):282-9.

Graziano KU, Silva A, Psaltikidis EM. Enfermagem em centro de material e esterilização. Barueri: Manole; 2011. 417p.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RCD 8, de 27 de fevereiro de 2009. Dispõe sobre as medidas para redução da ocorrência de infecções por Micobactérias de Crescimento Rápido em serviços de saúde. Brasília, DF: Anvisa; 2009.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RCD nº 33, de 16 de agosto de 2010. Dispõe sobre a proibição de registro de novos produtos saneantes na categoria esterilizante para aplicação sob a forma de imersão, adequação dos produtos esterilizantes e desinfetantes hospitalares para artigos semicríticos já registrados na Anvisa e dá outras providências. Brasília, DF: Anvisa; 2010.

Costa EAM, Costa EA. Risco e segurança sanitária: análise do reprocessamento de produtos médicos em hospitais de Salvador, BA. Rev Saúde Pública. 2012;46(5):800-7.

Zilberstein B, Silva RCR, Valim SG, Yukui KTH, Valentim R. Reprocessamento de pinças de alta resolução para corte e coagulação. ABCD, Arq Bras Cir Dig. 2013;26(3):230-3.

Carvalho R. Enfermagem em centro de material, biossegurança e bioética. Barueri: Manole; 2015. 380p. (Manuais de especialização, 11).

Balsamo AC, Graziano KU, Schneider RP, Antunes Júnior M, Lacerda RA. Remoção de biofilme em canais de endoscópios: avaliação de métodos de desinfecção atualmente utilizados. Rev Esc Enferm USP. 2012;46(n. esp):91-8.




DOI: http://dx.doi.org/10.5327/Z1414-4425201600010002

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Solinei Paulo Borgheti, Karin Viegas, Rita Catalina Aquino Caregnato

Rev SOBECC, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2448-0525

Licença Creative Commons Revista SOBECC está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia