Facetomia como procedimento cirúrgico ambulatorial: Percepções do paciente no período perioperatório

Marcília Rosana Criveli Bonacordi GonçaIves, Silvana Artioli Schellini, Wilza Carla Spiri

Resumo


O presente estudo foi delineado com o objetivo  de  conhecer  as  percepções do paciente com catarata em relação à realização de um procedimento cirúrgico em regime ambulatorial Para tanto, aplicamos um questionário com 36 questões formuladas para cem portadores da doe nça, operados no Hospital das Clínicas da faculdade de MediCJna de Botucatu da U N ESP Os dados foram avaliados por meio das distribuições percentuais. A maiona dos pacientes possuía entre 70 e 7 5 anos de idade , era ,nativa, residia a mais de cem quilômetros do hospital, tinha grau de escolaridade até a quarta série do primeiro grau e já havia sido hospitalizada preVJamente. Os pacientes relataram que não sabiam como sena o ato cirúrgico e/ou o ato anesté sico, que estavam se submetendo ao procedimento com o propósito de obter me/hona na qualidade de vida, qu e haviam compreendido as informações recebidas  no pré -o peratório e que se sentiam mais tranqü!los por terem se apresentado para o procedimento com  um  acompanhante   .   Com  relação ao período intra-operatório , o tempo cirúrgico prolongado  foi o que mais os preoc upou. resultado da cirurgia esteve de acordo com o esperado para 85 % dos pacientes e houve melhora da qualidade de vida  para 82 % doo perad os . Além disso, 83 % alegaram preferir a operação feita em regime ambu!atonal Concluímos que a  realização da   face  c t omia   como    procedimento ambu latorial foi satisfatóna , mesmo para o paciente idoso, que residia a mais de cem qw/ômetros do local do tratamento e possuía baixo grau  de escolandade


Palavras-chave


cirurgia ambulatorial catarata; facectomia; percepção do paciente

Texto completo:

PDF/A

Referências


. Arieta CEL, Kara J N. Oftalmologia clínica. 2 ' ed. Rio de Janeiro: Cultura Médica; 2001. Cataratas; cap. 18, p.

-72.

Carnio AM, Cintra FA, Tonussi J A G . Orientação pré-operatória a pacientes com catarata e indicação de cirurgia ambulatorial

- relato de experiência. Rev Bras Enferm 1995; 48(1 ):39- 45 .

DeFazio-Ü uinn DM. Ambulatory surgery: an evoluti on. Nurs Clin North Am 1997; 32(2):3 77 -8 6 .

Jaffe NS, Jaffe MS, Jaffe GF. Cataract surgery and its complications. 5ª ed. St. Louis: Mosby; 1 990 .

Leaming DV. P ra ct ice styles and preferences of ASCRS members - 1993 sur vey. J Cataract Refract Sur g 1994; 20 ( 4):459-6 7 .

Frisch SR , Groom LE, Seguin E, Edgar

LJ, Pepler CJ. Ambulat ory surgery: a study of patients and helpers experience. AORN J 19 90 ; 5 2(5) :10 00 -9 .

Gonçalves MRCB, Spiri WC. Percepções dos pacientes em face da cirurgia ambulatorial oftalmológica. ln: Anais do 4° Congresso Bra si leir o de Enfermagem em Cen t ro Ci rúr gico; 1 9 9 9 ; São Paulo. São Paulo: Sociedade Brasileira de Centro Ci rúrgi co; 1999, p. 19 .

Davis J E. Clínicas cirúrgicas da América do Norte: grande cirurgia ambulatorial. Rio de Janeiro: lnte rlivros; 19 87, v. 4.

Praça MT, Azevedo FL . Relato d e experiência sobre a atuação de enfermeira na unidade de cirurgia ambu lat oria l. ln: Anais do 2° Congresso Brasileiro de Enfermagem em Centro Ci rúr gico; 199 5; São Paulo. São Pau lo: Soc iedade Brasileira de Centro

Ci rúrgi co; 19 9 5, p. 1 31-7 .

O. Guido LA Acompanhamento ao Centro Cirúrgico ambulatorial fundamentado em King . Rev SO BECC 1996; 1(1) :8-1 3.

Costa ZS, Leite JL, Sobreira N R. A importância da orientação de Enfermagem no pré-operatório de pacientes com afecções ca rdíacas . En foque 1980; 9(3) :4-8.

2 . Ferraz ER, Salzano SDT. O paciente cir úrg ico: suas expectativas e opiniões quanto ao cuidado de En ferm ag em no pe ríodo t rans operat ório. Rev Bras En ferm 1982; 35(1 ):48-59

3 . Castellanos BE P, Jouclas VMG. Assistência da Enferm agem Perioperatória: um modelo conceituai. Rev Esc Enferm USP 1990 ; 2 4(3) :3 59-70 .

4. Schell ini SA, Silva MRBM, Gonçalves MRCB, Corrêa CR. Co ntam i na ção de colírios usados em ambiente cirúrg ico. J Bras Méd 2000; 78 :1 4-6 .

5. Nat ham son SN . Characteristics of a s uccess f u l ambu lat ory surgery prog ram . AORN J 19 88; 47( 2):59 2-8.

6 . Llewellyn JG. Short stay su rgery - present practices, future trends. AORN J 199 1 ; 53(5) :1179-84.

7 . Campana AD, Padovani CR, Timo Ia ra C, Freitas CBD, Paiva SAR, Hossne WS. Investigaçã o cient ífica na área médica. São Paulo: Manole; 200 1 .

8. Yamashita AM. Anestesiologia . São Paulo: Atheneu; 1 9 96 . Anestesia ambula­ torial; cap. 39 , p. 6 31 -9 .

90 . Pfeiffer KM, Rossetti M. Cirurgia do pacient e hospitalizado. l n: Allgower M, Bevil acq ua RG . Manual de cir urg ia. São Paulo: EPU ; 1981, cap . 1 O, p. 19 2-21 7 .


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Marcília Rosana Criveli Bonacordi GonçaIves, Silvana Artioli Schellini, Wilza Carla Spiri

Rev SOBECC, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2358-2871

Licença Creative Commons Revista SOBECC está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia