Cirurgia abdominal de alta complexidade: classificação e escolha dos equipamentos pela equipe multiprofissional

Adriana Regina Guimarães Martin, Luiz Arnaldo Szutan

Resumo


Introdução: Os procedimentos de alta complexidade são caracterizados pelo uso da alta tecnologia. A classificação e a escolha dos equipamentos
são um desafio para os profissionais envolvidos. Objetivo: Comparar a classificação das cirurgias abdominais de alta complexidade e a escolha
dos equipamentos pela equipe multiprofissional entre duas instituições hospitalares. Método: Pesquisa descritiva, quantitativa, transversal e comparativa,
com questionários estruturados sobre a opinião dos cirurgiões, anestesiologistas e enfermeiros. Resultado: A classificação dos procedimentos é
semelhante quando levados em conta equipamentos (P<1,0) e estrutura física (P=0,172) diferenciados. Discussão: A classificação dos procedimentos
mais complexos tem concordância entre os profissionais comparado à legislação, mesmo não englobando o porte anestésico, tipo de procedimento
e condições clínicas na sua classificação; a escolha dos equipamentos é do profissional que os utiliza, incluindo amplas salas de operações, sendo a
cirurgia robótica dispensável aos cirurgiões. Conclusão: Há diferenças entre instituições de saúde em relação à escolha, à disponibilidade de equipamentos
e aos tipos de cirurgias abdominais.

 


Palavras-chave


Cirurgia; Organização e Administração; Recursos Humanos; Enfermagem

Texto completo:

PDF PDF/A (English)

Referências


Dubi, M. Global implications from the US hospitals privatization experience. [on line]World Hosp Health Serv. 2012;48 (2):08-10. Accessed Aug 22, 2015.

Filho FAC; Zilli EC. Classificação Brasileira Hierarquizada de Procedimentos Médicos, [online]. AMB 2014. [Acesso 11 set 2016]; Disponível: http://amb.org.br/_arquivos/_downloads/CBHPM-2014.pdf

Associação Médica Brasileira. Lista de Procedimentos Médicos. Valores referenciais 1999. São Paulo: [online]. [Acesso 11 ago 2016]; Disponível: http://www.amb.org.br/teste/cbhpm.2010.htm.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 221 GM/MS de fevereiro de 2005 estabelece a Política Nacional de Atenção em Traumato-Ortopedia de Alta Complexidade. Esta Portaria foi regulamentada por meio da Portaria SAS/MS nº 95 de 14 de fevereiro de 2005. [on line] DOU (Diário Oficial da União), Poder Executivo, Brasília – DF. [Acesso 11jun2016]; Disponível: http://bvsms.saude. gov.br/bvs/saudelegis/gm/2005/prt0221_15 _02_ 2005.html.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Estado da Saúde. Portaria GM/MS nº 3535 de 02 de agosto de 1998. Institui a Câmara de Compensação de Procedimentos de Alta Complexidade. Estabelece critérios para definição e cadastramento de centros de atendimento em oncologia de Alta Complexidade. Departamento de atenção especializada e Coordenação Geral da Alta Complexidade. [on line] DOU, Poder Executivo, Brasília–DF, publicado em 09/08/1998. Brasília-DF. [Acesso 01 jun 2016]; Disponível: http://e-legis.anvisa. gov.br/leisref/public/showAct.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 1169 GM/MS de 15 de junho de 2004. Institui a Política Nacional de Atenção Cardiovascular de Alta Complexidade. [on line] DOU, Poder Executivo, Brasília-DF. [Acesso 18 jun 2016]; Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2004/prt11 69_15_06_ 2004. html.

Brasil. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Para entender a Gestão do SUS. [on line] Brasília-DF: CONASS, 2015 (1) 133 pg. [Acesso em 01mai17].Disponível:http://www.conass.org.br/biblioteca/pdf/A-GESTAO-DO-SUS.pdf.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 1570 GM/MS de 28 de junho de 2007. Define a Unidade de Assistência de Alta Complexidade ao Portador de obesidade com assistência diagnóstica e terapêutica especializada na média e alta complexidade com instalações físicas, equipamentos e recursos humanos adequados ao atendimento. [on line] DOU, Poder Executivo, Brasília – DF, 2007.[Acesso 01nov 2016]; Disponível: http://e-legis.anvisa.gov.br/leisref/public/ showAct.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 252/GM de 06 de fevereiro de 2006. Redefine a Política Nacional de Procedimentos Cirúrgicos Eletivos de Média Complexidade Ambulatorial e Hospitalar. DOU nº 28, 8 de fevereiro de 2006, Seção 1, Páginas 32 a 34. [Acesso 15 nov 2016]; Disponível: http://dtr2006.saude.gov.br/SAS/Portaria252/anexoII-PT096.html.

Brasil. Ministério da Saúde. Lei nº 9656 de 03 de junho de 1998. Dispõe sobre os planos e seguros privados de assistência á saúde. [on line] DOU, Poder Executivo, Brasília–DF, publicado em 04/06/1998. [Acesso 30 out 2016]; Disponível: http://www.ans.gov.br/texto_lei_pdf.php?id=678.

Brasil. Ministério da Saúde. Resolução Normativa RN 338 de 21 de outubro de 2013. Atualiza o rol de procedimentos e eventos em saúde, que constitui a referência básica para cobertura assistencial mínima nos planos privados de assistência à saúde. [Acesso 15 nov 2016]; Disponível: https://www.legisweb. com.br/legislação/?id=260921.

Betancur JD, Montaño LM, Jaramillo AF, Delgado CE. Fast track surgery, a strategy to improve operational efficiency in a high-complexity hospital in Latin America. World Hosp Health Serv. 2015;51(1):40-3.

Brasil. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria nº 2.947 de 21 de dezembro de 2012. Atualiza, por exclusão, inclusão e alteração, procedimentos cirúrgicos oncológicos na tabela de procedimentos, medicamentos, órteses, próteses e materiais especiais do SUS. [on line]. DOU (Diário Oficial da União), Poder Executivo, Brasília–DF. [Acesso 15 nov2016]; Disponível: http://e-legis.anvisa.gov.br/leisref/public/showAct.

Lynn Bell. Using OR patient Classification for Staffing Assignments. AORN Journal. June 2015. V. 101, n.6. 639-49. Disponível: http://www.aornjournal.org/ article/S0001-2092(15)00234-3/pdf. Acesso 02/03/2017.

USA.VHA.Deparment of Veterans Affairs. Facility infrastructure requirements to perform standard, intermediate, or complex surgical procedures. VHA, May 6, 2010. Washington, DC 20420. [Acesso 18 abr 2017]; Disponível: https:// www.va.gov/vhapublications/ViewPublication.asp?pub_ID=2216.

Sociedade Brasileira de Enfermeiros de Centro Cirúrgico, Recuperação Anestésica e Central de Material. Práticas Recomendadas SOBECC, 7º Ed. São Paulo; 2013.

Galhardo Junior, Carlos. Sala cirúrgica híbrida: uma nova realidade no Brasil e no mundo. Rev. Bras. Cardiol. (Impr.); 26(1): 8-10, jan.-fev. 2013. Disponível:http://pesquisa.bvsalud.org/brasil/resource/pt/lil-679823. Acesso 02/03/2017.

Silva JFSS, Mattos IE. Avaliação da assistência oncológica de alta complexidade em um município de fronteira em Mato Grosso do Sul: uma proposta de cálculo de estimativas de cobertura. Cad. Saúde Coletiva, 2012, Rio de Janeiro, 20 (3): 314-20 Disponível: http://www.iesc.ufrj.br/cadernos/ images/csc/2012_3/artigos/csc_v20n3 _314-320.pdf. Acesso em 23/02/2017.

Jo KI, Shin JW. Can maximum surgical blood order schedule be used as a predictor of successful completion of bloodless surgery? ANN Lab Med, 2013 Mar;33(2):116-20. Disponível: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/ PMC3589636/doi:10.3343/alm.2013.33.2.116. Acesso em 02/05/2017.

Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. RDC 50 de 21 de fevereiro de 2002. Dispõe sobre o regulamento técnico para planejamento, programação, elaboração e avaliação de projetos físicos de estabelecimentos assistenciais de saúde. Brasília–DF. [Acesso 18 nov 2016]; Disponível: http://e-legis.anvisa.gov.br/leisref/public/showAc t.




DOI: https://doi.org/10.5327/Z1414-4425201700040004

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Adriana Regina Guimarães Martin, Luiz Arnaldo Szutan

Rev SOBECC, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2358-2871

Licença Creative Commons Revista SOBECC está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia