Estratégias de capacitação da equipe de enfarmgem de um Centro Cirúrgico Oncológico

Mariângela Belmonte Ribeiro, Isabel Miranda Bonfim, Cleidileno Teixeira Silveira

Resumo


Capacitação em serviçoé urna atividade que está intirnamenteligada à educação continuada, princi-palmente na área da enfermagem. OCentro Cirúrgico (CC), por ter caracte-rísticas assistenciais sei generis e de altacomplexidade, acaba, em muitos casos,não recebendo atenção dos setores deEducação Continuada. Este relato deexperiência visa demonstrar como estáestruturado o treinamento dos colabora-dores técnicos de enfermagem do CC deum hospital de grande porte especializadoem oncologia, disseminando quais são oscuidados assistenciais mais relevantesque um profissional de enfermagem devesaber para poder atuar neste setor, como:técnicas de anestesia, posicionamentocirúrgico, admissão na recuperaçãoanestésica, montagem de sala operatória,noções de informática e cuidados compeças para exames anatomopatológicosdos pacientes cirúrgicos. Este relato tem ointuito de demonstrar que, mesmo em umsetor especializado, é possível capacitaros colaboradores, garantindo segurança equalidade assistencial durante o períodotransoperatório.

Palavras-chave


Enfermagem de centro cirúrgico. Capacitação em serviço Educação continuada. Oncologia.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Dicionário doAurélio Online [dicionáriona Internet]. Rio de Janeiro: 2010. [citadoem 2010 ago 121. Disponís cl em:• Dicionário doAurélio Online [dicionáriona Internet]. Rio de Janeiro: 2010. [citadoem 2010 ago 121. Disponís cl em:http://www.dicionariodoaurelio.com

Oguisso T. A educação continuadacomo fator de mudanças: visão mundial.Nursing (São Paulo). 2000:20(1):22-9.

Salum NC, Prado ML. Educação con-tinuada no trabalho: uma perspectiva detransformação da prática e valorizaçãodo trabalhador de enfermagem. TextoContexto Enferm. 2000;9(2):298-311.

Paschoal AS, Mantovani MF, MéierMi. Percepção da educação permanente,continuada e em serviço para enfermei-ros de um hospital de ensino. Rev EscEnferm USP. 2007;41(3):479-80.

Castro LC, Takahashi RT. Percepçãodos enfermeiros sobre a avaliação daaprendizagem nos treinamentos desen-volvidos em um hospital de São Paulo.Rev Esc Enferm USP. 2008;42(2):305-11.

Siqueira 11-PC, Kurcgant P. Estratégiade capacitação de enfermeiros recém-ad-mitidos em unidades de internação geral.Rev Esc Enferm USP. 2005:39(3):23l-51.

Silva MJP, Pereira LL, Benko MAEducação continuada: estratégia parao desenvolvimento do pessoal deenfermagem. São Paulo: Saraiva; 1989Escolha de uma linha educacional; p6.

S. Backes VMS, Schrnidt SMS, NietscheEA, Saurim MHG, Ferraz F. Educaçãocontinuada: algumas considerações nahistória da educação e os reflexos naenfermagem. Texto Contexto Enferm. 2003;l2( 1):80-8.

Silva MF, Conceição FA, Leite MMJ.Educação continuada: um levantamentode necessidades da equipe de enferma-gem. Mundo Saúde. 2008;32(1):47-55.

Moita PR. Inovações tecnológicas etransformações sociais. Rio de Janeiro:Qualitymark; 1998. Transformaçãoorganizacional: a teoria e a prática deinovar; p. 10.

Oliveira MAN, Servo MLS. A edu-cação à distância como estratégia daeducação permanente do enfermeiro emcentro cirúrgico frente às novas tecnolo-gias. Sitientibus. 2004;30:9-20.

Bianchi ERF, Váttimo MFF. Recep-ção do paciente no centro cirúrgico. In:Carvalho R, Bianchi ERF, organizado-ras. Enfermagem em centro cirúrgico erecuperação. 2 reimp. Barueri: Manole;2010. p. 162-76.

Bussolotti RM, Giroud EHJ. Tiposde anestesia. In: Malagutti W, BonfimIM. Enfermagem em centro cirúrgico:atualidades e perspectivas no ambientecirúrgico. São Paulo: Martinari; 2008p. 115-34.

Lacerda RA. Controle de infecçãoem centro cirúrgico: fatos, mitos econtrovérsias. São Paulo: Atheneu; 2003.Ambiente da sala de operações: fonte decontaminação e relação corri infecção emcentro cirúrgico; p327.

Silveira CI. A assistência da equipede enfermagem no posicionamentocirúrgico do paciente durante o períodointra-operatório [Tese]. São Paulo:Escola de Enfermagem, Universidadede São Paulo: 2008.

Werner B. Biópsia de pele e seuestudo histológico: Por quê? Para quê?Como? Parte 1. An Bras Dermatol.2009,84(4):391-5.

Évora YDM. A enfermagem tia era dainformática. Rev Eletr Enferm [periódicona internet]. 2007. [citado 2009 dez 20];9(1):14. Disponível em: http://uit'wt'n. iÁ9/fl 1i!f/9 IaO 1 .pdf

Pita P. História e atualidades da RPA.In: Malagutti W, Bonfim IM. Recupera-ção pós-anestésica: assistência especia-lizada no centro cirúrgico. São Paulo:Martinari: 2010. p. 19-28.

Sociedade Brasileira de Enfermeirosde Centro Cirúrgico, RecuperaçãoAnestésica e Centro de Material eEsterilização. Práticas Recomendadas- SOBECC. 5 cd. São Paulo: SOBECC;2009.

Aldrete IA. The post-anesthestarecovery score revisited. 1 Clin Anesth.1995;7(1):89-9 1.


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Mariângela Belmonte Ribeiro, Isabel Miranda Bonfim, Cleidileno Teixeira Silveira

Rev SOBECC, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2358-2871

Licença Creative Commons Revista SOBECC está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia