Assistência de enfermagem em leitos de retaguarda na recuperação pós-anestésica

Thiago Faustino Machado Souza, Dulcilene Pereira Jardim

Resumo


Trata-se de estudo de campo, descritivo, com o objetivo de identificar as principais dificuldades da assistência de enfermagem prestada a pacientes que. após o período de permanência na recuperaçãoa nestésica, por indisponibilidade de leitos no hospital, devem permanecer sob cuidados em leitos de retaguarda na própria unidade de recuperação pós-anestésica. A coleta de dados foi realizada por meio de um questionário respondido por 34 profissionais de enfermagem atuantes no Centro Cirúrgico de um hospital público de São Paulo. Os resultados mostram dificuldades da enfermagem em manter a qualidade da assistência prestada a estes pacientes devido a número restrito de funcionários por plantão, alto número e rotatividade de pacientes no setor, despreparo para prestar cuidados aos pacientes com ventilação mecânica e banho, além das dificuldades para visita médica, da equipe multi profissional e de familiares a estes pacientes. Desta forma, percebe-se a necessidade de reformulações administrativas e assistenciais, que possam resultar em cuidados humanizados a estes pacientes.

Palavras-chave


Recuperação pós-anestésica. Enfermagem de centro cirúrgico. Assistência de enfermagem.Cuidados de enfermagem.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Sociedade Brasileira de Enfermeiros de Centro Cirúrgico, Recuperação Anestésica e Centro de Material e Esterilização. Práticas recomendadas - SOBECC. 5ed. São Paulo: SOB ECC; 2009.

Galdeano LE, Rossi LA, Peniche ACG. Assistência de enfermagem na recuperação pós-anestésica. tu: Carvalho R, Bianclii ERF, organizadoras. Enfermagem em centro cirúrgico e recuperação. 1 cd reimp. São Paulo: Manole 2010. p.267-98. Enf'enyi tJSP. 2003:37(4):34-42. intensiva. Rev Enferm UERJ. 2003 11(1):111-6.

Gt.iido LA, Silva RM. Mari S. Estratégias de coping entre enfermeiros de recuperação anestésica. Rev SOBECC. 2006:1 1(3):32-7.

LoBiondo-Wood G. Haber J. Pesquisa em enfermagem: métodos, avaliação e utilização. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan: 2001.

Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução n196. de 10 de outubro de 1996. Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas em seres humanos. Mundo Saúde. 1996.21(1):52-6 1.

Moraes LO, Peniche ACG. Assistência de enfermagem no período de recuperação anestésica: revisão de literatura. Rev Esc

Schmit, SM, Piccoli M, Viera CA. A criança hospitalizada, a cirurgia e o brinquedo terapêutico: uma reflexão para a enfermagem. Ci Cuíd Saúde. 2003;2(1 ):67-73.

Castro AS. Ribeiro CA, Silva CV. Tentando readquirir o controle: a vivência do pré-escolar no pós-operatório de postectomia. Rev Latino-am. Enferm. 2004:1 2(5):797-805.

Silva LD, Pereira SRM, Mesquita AME. Procedimentos de enfermagem: semiotécnica para o cuidado. Rio de Janeiro: Medsi: 2005.

Silva LD. Indicadores de qualidade do cuidado de enfermagem na terapia

Castellões TMFW, Silva LD. Guia de cuidados de enfermagem na prevenção da extubação acidental. Rev Bras Enferm. 2007;60(1):106-9.


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Thiago Faustino Machado Souza, Dulcilene Pereira Jardim

Rev SOBECC, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2358-2871

Licença Creative Commons Revista SOBECC está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia