Logística de implementação de bloco cirúrgico na floresta: atuação do enfermeiro

Cíntia Rachel Gomes Sales, Mona Luisa Sabongi, Valesca Nunes dos Reis, Aline Salheb Alves Pivatti, Agnês Raquel Camisão, Genário Kanashiro Filho

Resumo


Objetivo: Relatar a experiência de enfermeiros voluntários na Organização da Sociedade Civil de Interesse Público Expedicionários da Saúde no
processo de implementação de centro cirúrgico e centro de material e esterilização de hospital de campanha em aldeia indígena na região norte do Brasil.
Método: Pesquisa descritiva, narrativa, com abordagem qualitativa, do tipo relato de experiência, realizada entre os meses de setembro e novembro de
2015. Resultados: O processo de estruturação e implementação de um centro cirúrgico e centro de material e esterilização em áreas isoladas conteve
cinco etapas e contou com a participação e o envolvimento de enfermeiros desde o planejamento e gerenciamento das atividades até a etapa de execução.
Conclusão: O engajamento e o compromisso dos profissionais enfermeiros em todas as etapas contribuem para a garantia da segurança e da qualidade
das cirurgias realizadas no paciente indígena, por meio de um trabalho que prima pela organização, sistematização e cientificidade dos processos.


Palavras-chave


Enfermagem. Logística. Centros cirúrgicos. Saúde de populações indígenas. Voluntários.

Texto completo:

PDF PDF/A (English)

Referências


Brasil. Constituição da República Federativa do Brasil: texto

constitucional promulgado em 5 de outubro de 1988, com as

alterações adotadas pelas Emendas constitucionais nos 1/1992 a

/2015, pelo Decreto legislativo nº 186/2008 e pelas Emendas

constitucionais de revisão nos 1 a 6/1994. 45a ed. Brasília: Câmara

dos Deputados, Edições Câmara; 2015.

Brasil. Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as

condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a

organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá

outras providências. Brasília: Diário Oficial da União, 20 set. 1990.

Seção 1, p. 18055.

Brasil. Política nacional de atençã o à saúde dos povos indígenas.

Brasília: Fundaçã o Nacional de Saúde; 2002 [acesso em 2016 mar

, 40 p. Disponível em:

politica_saude_indigena.pdf>

Fior CA, Mercuri E. Formação universitária e flexibilidade curricular:

importância das atividades obrigatórias e não obrigatórias. Psicol

Educ. 2009;29:191-215.

Nunes DCG. Qual a importância do trabalho voluntário para a

sustentabilidade de organizações não-governamentais? [dissertação].

Programa de Pós-Graduação em História, Política e Bens Culturais.

Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas; 2009.

Conselho Federal de Enfermagem (COFEN) [Internet]. Resoluçã o

COFEN nº 424, de 19 de abril de 2012. Normatiza as atribuiçõ es dos

profissionais de enfermagem em Centro de Material e Esterilizaçã o

e em empresas processadoras de produtos para saúde. Brasília:

Diário Oficial da União, 23 abr. 2012. Seção 1, p. 186.

Backes DS, Backes MS, Erdmann AL , Büscher A. O papel profissional

do enfermeiro no Sistema Único de Saúde: da saúde comunitária à

estratégia de saúde da família. Ciênc Saúde coletiva. 2012;17(1):223-30.

Fonseca RMP, Peniche ACG. Enfermagem em centro cirúrgico:

trinta anos após criação do Sistema de Assistência de Enfermagem

Perioperatória. Acta Paul Enferm. 2009;22(4):428-33.

Oliveira JWB, Aquino JM, Monteiro EMLM. Promoção da saúde na

comunidade indígena Pankararu. Rev Bras Enferm. 2012;65(3):437-44.

Silva NC, Gonçalves MJF, Lopes Neto D. Enfermagem em saúde

indígena: aplicando as diretrizes curriculares. Rev Bras Enferm.

;56(4):388-91.

Braga EM, Berti HW, Risso ACMCR, Silva MJP. Relaçõ es interpessoais

da equipe de enfermagem em centro cirúrgico. Rev SOBECC.

;14(1):22-9.

Brasil. Resoluçã o RDC nº 50, de 21 fevereiro de 2002. Regulamento

técnico para planejamento, programaçã o, elaboraçã o e avaliaçã o de

projetos físicos de estabelecimentos assistenciais de saúde. Brasília:

Diário Oficial da União, 20 mar. 2002.

Brasil. Resoluçã o RDC nº 15, de 15 de março de 2012. Dispõe sobre

requisitos de boas práticas para o processamento de produtos para

saúde e dá outras providências. Brasília: Diário Oficial da União,

mar. 2012. Seçã o 1, p. 43-6.

Sociedade Brasileira de Enfermeiros de Centro Cirúrgico, Recuperação

Anestésica e Centro de Material e Esterilização (SOBECC). Práticas

Recomendadas SOBECC. 6a ed. São Paulo: SOBECC; 2013.

Ng-Kamstra JS, Riesel JN, Arya S, Weston B, Kreutzer T, Meara JG,

et al. Surgical non-governmental organizations: global surgery’s

unknown nonprofit sector. World J Surg. 2016;40(8):1823-41.

Charities Aid Foundation. World Giving Index 2013: a global view of giving

trends [Internet]. 2013 dez [citado 2016 mar. 28]. Disponível em:

www. cafonline.org/PDF/WorldGivingIndex2013_1374AWEB.pdf>

Snyder M, Omoto AM. Volunteerism: social issues perspectives and

social policy implications. Soc Issues Policy Rev. 2008;2(1):1-36.

Ribeiro AA , Fortuna CM, Arantes CIS. Nursing work in an indigenous

support institution. Texto Contexto - Enferm. 2015;24(1):138-45.

Santos MC, Rennó CSN. Indicadores de qualidade da assistência de

enfermagem em centro cirúrgico: Revisão Integrativa da Literatura.

RAS. 2013;15(58):27-36.

Freitas NQ, Dissen CM, Sangoi TP, Beck CLC, Goulart CT, Marion R. O

papel do enfermeiro no centro cirúrgico na perspectiva de acadêmicas

de enfermagem. Rev Contexto & Saúde. 2011;11(20):1133-6.




DOI: https://doi.org/10.5327/Z1414-4425201600030007

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Cíntia Rachel Gomes Sales, MONA LUISA SABONGI, VALESCA NUNES DOS REIS, ALINE SALHEB ALVES PIVATTI, AGNÊS RAQUEL CAMISÃO, GENÁRIO KANASHIRO FILHO

Rev SOBECC, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2358-2871

Licença Creative Commons Revista SOBECC está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia