Estratégias lúdicas para a recepção de crianças em Centro Cirúrgico

Maria Andréia Garcia, Tatiane Roberta Fernandes Fernandes, Eliana Mara Braga, Silvia Maria Caldeira

Resumo


O objetivo deste estudo foi conhecer a percepção da equipe de enfermagem a respeito da utilização de estratégias lúdicas para crianças na recepção da unidade de Centro Cirúrgico (CC) de um hospital escola. Foi uma pesquisa transversal, de campo, com metodologia quanti-qualitativa, na qual a equipe de enfermagem respondeu um questionário quanto á utilização das estratégias lúdicas no perioperatório. Todos os entrevistados consideraram importante a utilização das estratégias lúdicas, pois diminuem o medo do desconhecido, reduzem o estresse no perioperatório e aproximam a criança e a família da equipe de cirurgia. Concluímos que a equipe de enfermagem apresenta uma percepção positiva quanto à utilização das estratégias lúdicas e que os beneficios da utilização são para a criança no perioperatório, para a mãe que se sente mais tranquila ao ver o filho brincando e para a própria equipe que apresenta menor resistência por parte das crianças na realização dos procedimentos.

Palavras-chave


Criança; Equipe de enfermagem; Comunicação; Brinquedo

Texto completo:

PDF/A

Referências


Pinto JP, Ribeiro CA, Silva CV. Família da criança hospitalizada e suas demandas de cuidado. Acta Paul Enferm. 2004; 17(4):450-2.

Pinto JP, Ribeiro CÁ, Silva CV. Procurando manter o equilíbrio para atender suas demandas e cuidar da criança hospitalizada: a experiência da família. Rev Latino-Am Enferm 2005,13(6):974-81.

Benedito MD. A criança e a hospitalização. In: Car alho ES. Carvalho WB, Terapêutica e prática pediátrica. 2' ed. São Paulo: Atheneu: 2000. p. 93. 9. Furtado MCC. Lima RAG. Brincar tio hospital: subsídios para o cuidado de enfermagem. Rev Esc Enferm USP. 1999-,33(4):364-9. 10. Motta AB, Enuno SRF. Brincar tio hospital: estratégia de enfrentamento da hospitalização infantil. Psicol Estudo. 2004:9(1): 19-28. 11. Salimena AMO, Cadete MMM. Os sentimentos expressos pela mãe a porta do centro cirúrgico: abordagem fenomenológica. Nursing (São Paulo). 2003;6(56):32-4 12. Bousso RS. A experiência da família durante a cirurgia cardíaca do filho. Nursing (São Paulo). 2006;97(8):860-5.

Karen CH, Beilodi PL, Novaes MAFP. A criança na UCI. lii: Carvalho 13. Mitre RMA,Gomes R.Aperspectiva dos profissionais de saúde sobre a promoção do brincar emFS..ar alho WB. Terapêutica e prática pediátrica. 2" ed. São Paulo: Atheneu: 2000. p. 95.

Silva DC, Meireles NE 1lumani7ação da assistência à criança em centro cirúrgico oncológico. Re SOBECC. 2009,14(1):30-41.

Maia EBS, Ribeiro CÁ, Borba RIU. Brinquedo terapêutico: benefícios vivenciados por enfermeiras na prática assistencial à criança e à família. Rev Gaúcha Enferni. 2008;29(1):39-46.

Santos SMP. Brinquedoteca: a criança, adulto e o lúdico. Petrópolis: Vozes: 2000.

Leite TMC, Shinio AKK. Uso do brinquedo no hospital: o que os enfermeiros brasileiros estão estudando? Rev Esc Enferm USP. 2008:42(2):389-95. hospitais. Ci Saúde Coletiva. 2007;12(5): 1277-84.

Furtado MCC. Lima RAG. Brincar tio hospital: subsídios para o cuidado de enfermagem. Rev Esc Enferm USP. 1999-,33(4):364-9.

Motta AB, Enuno SRF. Brincar tio hospital: estratégia de enfrentamento da hospitalização infantil. Psicol Estudo. 2004:9(1): 19-28.

Salimena AMO, Cadete MMM. Os sentimentos expressos pela mãe a porta do centro cirúrgico: abordagem fenomenológica. Nursing (São Paulo). 2003;6(56):32-4.

Mitre RMA,Gomes R.Aperspectivados profissionais de saúde sobre a promoção do brincar em hospitais. Ci Saúde Coletiva. 2007;12(5): 1277-84.

Bousso RS. A experiência da família durante a cirurgia cardíaca do filho. Nursing (São Paulo). 2006;97(8):860-5.

Minayo MCS. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Rio de Janeiro: Vozes; 1994.

Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução 196/96. Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos. Brasília. Ministério da Saúde; 1996

Bardin L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70; 1977.

Bedin E, Ribeiro LBM, Barreto RASS. Humanização da assistência de enfermagem em centro cirúrgico. Rev Eletrônica Enferm [periódico na Internet]. 2005 [citado 2010 maio 1 1];7(l): 118- 27. Disponível em: www.fen.ufg. br/revista7 1 /revisão04.htm

Ribeiro PJ, SabatesAL, Ribeiro CA. Utilização do brinquedo terapêutico como um instrumento de intervenção de enfermagem no preparo de crianças submetidas à coleta de sangue. Rev Esc Enferm USP. 2001;35(4):420-8.

Barreto RASS, Barros APM. Conhecimento e promoção de assistência humanizada no centro cirúrgico. Rev SOBECC. 2009; 14(1):42-50.


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Maria Andréia Garcia, Tatiane Roberta Fernandes Fernandes, Eliana Mara Braga, Silvia Maria Caldeira

Rev SOBECC, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2358-2871

Licença Creative Commons Revista SOBECC está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia