Intraoperatório de Transplante hepático: prática de enfermagem baseada em evidências

Josely Santana de Amorim, Aneilde Maria Ribeiro de Brito, Fabiane Figueiredo Silva, Joana Mara Assunção, Josielle de Lima Pires Pimenta, Michelly Keesen Batista Resende

Resumo


A prática baseada em evidências transforma o cuidado do enfermeiro em uma aviliação crítica, proporcionando a tomada de decisão integrada à experiência clínica individual baseada em uma melhor evidência clínica externa. Este estudo visa anilisar alçoes assistenciais do enfermeiro e identificar níveis de evidências e graus de recomendação das intervenções de enfermagem no intra-operatório do transplante hepático. Trata-se de revisão bibliográfica composta por artigos que forma analisados e interpretados de acordo com Bork e Minatel (2005). Foram obtidos 12 artigos relacionados àsintervenções de enfermagem, como posi-cionamento do paciente na mesa cirúrgica,cateterismo vesicai de demora, prevençãode hipotermia, trombose venosa profundae de lesões cutâneas por pressão. Conclui-se que o enfermeiro que atua no períodoi ntraoperatório de transplante hepáticobusca realizar ações embasadas no conhe-cimento científico, prestando assistênciadirecionada ao hepatopata, prevenindopossíveis danos que podem ser causadosao paciente. 


Palavras-chave


Enfermagem prática Transplante hepático; Tomada de decisões.

Texto completo:

PDF/A

Referências


.Galvão CM, Sawada NO, Mendes IAC.A busca das melhores evidências. RevEsc Enferrn USP. 2003;37(4):43-50.

Cruz DALM, Pimenta CAM. Práticabaseada em evidências, aplicada aoraciocínio diagnóstico. Rev Latino-AniEnferm. 2005:13(3):415-22.

Duarte MMF, Salviano MEM, GrestaMM. Assistência de enfermagem ciiitransplante hepático. In: Pereira WA.Manual de transplantes de órgãos etecidos. Rio de Janeiro: Medsi: 2000.p.467-7l.

Sasso KD. Azevedo MAJ. Assistênciade enfermagem no transplante de fígado:a importância do enfermeiro nessamodalidade terapêutica. Nursing (SãoPaulo). 2003:60(6):l6-20.

Miyake MH, Fonseca RMP. Sistemasde compressão vascular: subsídios paraassistência de enfermagem na preN ençãode trombose venosa profunda (TVP)Rev SOB[CC. 2007:12(4):40-5.

Traniontini CC, Graziano KU. Controleda hipotermia de pacientes cirúrgicosidosos tio intra-operatório: avaliação deduas intervenções de enfermagem. ReLatino-Am Enferm. 2007:1 5(4):626-3 1.

Bork AMT. Minatel VF. Enfermagembaseada em evidências. Rio de Janeiro:Guanabara Koogan: 2005.

Meeker Ml-!, Rothrock JC. Alexander:cuidados de enfermagem ao pacientecirúrgico. 10' ed. Rio de Janeiro:Guanabara Koogan: 1997.

Capela CF, Guimarães SM. Posicio-namento cirúrgico e as complicaçõestransoperatórias: recomendações decuidados intraoperatório. Rev SOB ECC.2009:14(1):5 1-61.

Gotardo JM, Silveira RCCP, GalvãoCM. 1-1 ipotermia no perioperatório:análise da produção científica nacionalde enfermagem. Re SOBECC2008:! 3(2):40-8.

Pagnocea ML, Tal Ei, Dvan JL.Controle de temperatura em intervençãocirúrgica abdominal convencional:comparação entre os métodos de

aquecimento por condução e conduçãoassociada à convecção. Re BrasAnestesio!. 2009:59(1):56-6l.

Stamm AMNF. Coutinho MSSAInfecção do trato urinário relacionadaao cateter esical de demora: incidênciae fatores de risco. AMB Rev Assoe McdBras. 1999:43(1 ):27-33.

Sou/.a Neto JL. 0Ii eira FV. KobatAK, Silva MNP. Lima AR. Maciel LC.In íecçào do trato urinário relacionadaC0111 a utiliiaçào do cateter esical dedemora: resultados da bacteri ária e damicrobiota estudadas. Re Co! Bras Cir.2008,15(1):28-33.

Ribeiro MA. Garbes Netto P.[age SG. Desafios na prolilaia dotromboembolismo enoso: abordagem dopaciente crítico. Rev Bras Ter Intensis a.2006:! 8(3):3 16-9.

IS. Nascimento MMM. Prevençào datrombose enosa prolunda em cirurgiabucomax i lo Etcial . Re C ir TraumatolBuco-Maxilo-Fac. 2005:5(4):9-16.

Rodrigues M. Pires M. Santos C.Sousa R Avanços na prevenção datrombose enosa profunda em urologia.Acta Uro!. _'006:23(3):') 1-5.

Lise F. Silva LC. Pre enção deúlcera por pressão: instrumentalizandoa enfermagem e orientando o familiarcuidador. Acta Sei llealth Sei.2007:29(2):85-9.

Earo ACM. Fatores de risco para úlcerade pressão subsídios para a prevenção.Re Esc Enferm USP. l999:33(3):279-83.

Carvalho [5. Ferreira SC, Sila CA,Santos AC P0. Regebe C MC. Concepçõesdos acadêmicos de enfermagem sobreprevenção e tratamento de úlceras depressão. Rev Baiana Saúde Pública.2007:31(1 ):77-89.

Ursi ES. Galão CM. Preenção delesões de pele no perioperatório: revisãointegrati a da literatura. Rev Latino-.Am

Enferm. 200614(1):124-31.

Parolin MB, Zaina FE, Lopes RW.Terapia nutricional no transplante hepático.Arq Gastroenterol. 2002;39(2):1-2.

Biazzotto CB. BrudniewskíM, Schmidt AP, Auler Júnior JOC.1h poterm ia no período peri -operatório.Re Bras Anestesiol. 2006;56(1):89-106.

Matos FGOA, Piccoli M. Diagnósticode enfermagem risco para lesãoperi operatória por posicionamentoidentificado no período transoperatório.Rev Ci Cuidado Saúde. 2004:3(2):195-201


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Josely Santana de Amorim, Aneilde Maria Ribeiro de Brito, Fabiane Figueiredo Silva, Joana Mara Assunção, Josielle de Lima Pires Pimenta, Michelly Keesen Batista Resende

Rev SOBECC, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2358-2871

Licença Creative Commons Revista SOBECC está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia