Saúde mental da equipe de enfermagem de Centro Cirúrgico frente à morte

Anna Paula Semeniuk, Solânia Durman, Fabiana Gonçalves de Oliveira Azevedo Matos

Resumo


Uma das causas do sofrimento emocional do trabalhador da área da saúde é o eminente risco de morte de pacientes, presente no cotidiano dos profissionais. Desta forma, o objetivo do estudo foi investigar os sentimentos dos profissionais de enfermagem do Centro Cirúrgico de um hospital escola do oeste do Paraná, frente à morte de pacientes. Trata-se de uma pesquisa de campo, decaráter qualitativo, por meio da técnica de análise conteúdo de Minayo. A coleta de dados ocorreu em junho de 2010 por meio de um questionário aberto. A amostra do estudo foi composta por 15 profissionais: três enfermeiros, nove técnicos de enfermagem e três auxiliares de enfermagem. As respostas foram agrupadas seis categorias: Faixa etária do paciente, Motivo da cirurgia, Família, Calosidade profissional e impactos do trabalho na vida pessoal, Papeis dentro da equipe e Impactos da morte. Os resultados revelam sofrimento psíquico velado sobre o assunto "perda por morte". Esta forma de proteção sugere que a equipe de enfermagem enfrenta dificuldades para administrar as sensações vivenciadas neste ambiente. Percebe-se a diferenciação no manejo dos sentimentos de acordo com a faixa etária do paciente em óbito. De forma geral, os participantes negam a necessidade de suporte psicológico.


Palavras-chave


Enfermagem. Enfermagem perioperatória. Estresse psicológico. Morte.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Cruz EA. Admissão em centro cirúrgico comoespaço de cuidado. Rev Eletrôn Enferm [Internet].2002. [acesso 2009 mar 191;4(1): [aproximadamente7p]. Disponível em: http://www.fen.ufg.br/revista/re-vista41 /centro.html

Smeltzer SC, Bare BG, Hinkle JL, Cheever KH.Brunner & Suddarth - Tratado de enfermagem mé-dico-cirúrgica. 111 ed. Rio de Janeiro: GuanabaraKoogan; 2008.

Cruz EBS. Estudo sobre a problemática de saú-de dos trabalhadores de enfermagem: perspectivaspara vigilância epidemiológica [tese]. São Paulo:Universidade de São Paulo; 2006.

Boemer M, Rossi LRG, Nastari RR. A idéia demorte em unidade de terapia intensiva - análise de depoimentos. In: Cassorla RMS. Da morte: estudosbrasileiros. Campinas: Papirus; 1991. p.145-57.

Gomes R. A análise de dados em pesquisa quali-tativa. In: Minayo MCS. Pesquisa social: teoria, mé-todo e criatividade. Petrópolis: Vozes; 1994. p.67-80.

Minayo MCS. Pesquisa social: teoria, método ecriatividade. ga ed. Petrópolis: Vozes; 1998.

Campos EP. Quem cuida do cuidador: uma pro-posta para os profissionais da saúde. 2a ed. Petró-polis: Vozes; 2005.

Hoffmann L. A morte na infância e sua represen-tação para o médico: reflexões sobre a prática pedi-átrica em diferentes contextos. Cad. Saúde Pública[Internet]. 1993 jul-set. [acesso 2010 jul 10]; 9(3):364-74. Disponível em: http://www.scielosp.org/pdfIcsp/v9n3/23.pdf

Santos FS. Tanatologia: a ciência da educaçãopara a vida. In: Santos FS. A arte de morrer: visõesplurais. Bragança Paulista: Comenius; 2009. p. 13-48.

Carvalho MCB. A família contemporânea em de-bate. São Paulo: Cortez; 2005. O lugar da família napolítica social; p14 -22.

Angelo M. Abrir-se para a família: superando de-safios. Rev Fam Saúde Desenvolv. 1999;1(1):714.

Marcon SS, Elsen 1. A enfermagem com umnovo olhar: a necessidade de enxergar a família.Rev Fam Saúde Desenvolv. 1999;1(1):21-6.

Quintana AM. Morte e formação médica: é possí-vel a humanização? In: Santos FS. A arte de morrer:visões plurais. 2' ed. Bragança Paulista: Comenius;2009. p.37-48.

Kubler-Ross E. Morte: estágio final da evolução.Trad. de Ana Maria Coelho21 ed. Rio de Janeiro: NovaEra; 1996.

Sebastiani RW. A equipe de saúde frente às si-tuações de crise e emer-gência no hospital geral:aspectos psicológicos. In:Camon VAA. Urgências psi-cológicas no hospital. SãoPaulo: Pioneira Tompson; 2002. p.31-9.


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Anna Paula Semeniuk, Solânia Durman, Fabiana Gonçalves de Oliveira Azevedo Matos

Rev SOBECC, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2358-2871

Licença Creative Commons Revista SOBECC está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia