CONSERVAÇÃO DA ESTERILIDADE DE ARTIGOS ÚMIDOS APÓS AUTOCLAVAÇÃO E ARMAZENAMENTO

Claudia Braga Macagnani, Silvia Ricci Toneili

Resumo


A esterilização processa materiais críticos,pela destruição dos microorganismos, prevenindo atransmissão de infecções ao próximo usuário. Co-nhecer métodos de proteção antiinfecciosa relacio-nados ás condições de esterilidade dos materiais éimportante, visto que o profissional da saúde devezelar pela qualidade do artigo utilizado no paciente.A autoclave a vapor é um método de esterilizaçãoque no começo do ciclo utiliza umidade; se após, omaterial não for seco pode favorecer a contaminação.Há necessidade de realizar pesquisas, pois trabalhosreferem que material molhado pode ser utilizado após autoclavação. O estudo teve o objetivo de analisar a conservação da esterilidade de artigos cirúrgicos úmidos após autoclavação e armazenamento. Foram analisados 140 artigos, em quatro tipos de invólucros, sendo 20 deles logo após a esterilizaçãoe 120 armazenados, avaliados a cada duas horas,totalizando 12 horas. Foram assepticamente colocados em tubos de ensaio contendo meio de cultura e em estufa, por 24 horas. Verificou-se que todos os artigos apresentaram conservação da esterilidade, podendo ser utilizados em até 12 horas.

Palavras-chave


Esterilização. Instrumentos cirúrgicos. Umidade. Análise microbiológica. Cirurgia geral.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Rocha CDP. Esterilização a vapor em ciclo flash:análise das práticas realizadas pelos profissionaisde enfermagem [dissertação]. São Paulo: Escolade Enfermagem, Universidade de São Paulo; 2006

Associação Paulista de Epidemiologia e Contro-le de Infecção Hospitalar. Limpeza, desinfecção eesterilização de artigos em serviços de saúde. SãoPaulo: APECIH; 2010.

Possari JF. Centro de material e esterilização:planejamento, organização e gestão. 4a ed. São Paulo: látria; 2010.

Sociedade Brasileira de Enfermeiros de CentroCirúrgico, Recuperação Anestésica e Centro deMaterial e Esterilização. Práticas recomendadas- SOBECC. 5' ed. São Paulo: SOBECC; 2009.

Nieheus RC. Autoclaves verticais: uma propostade sistema para garantia do processo de esteriliza-ção [dissertação]. Florianópolis: Engenharia Bio-médica, Universidade Federal de Santa Catarina;2004.

Graziano KU, Moriya GAA, Silva A. Material úmido/molhado está realmente contaminado? Rev Técnico-Científica Enferm Curitiba. 2006;4(14):7.

Pinter MG. Validação do processo de esterilizaçãoa vapor saturado sob pressão em hospitais domunicípio de São Paulo [dissertação]. São Paulo:Escola de Enfermagem, Universidade de São Paulo;2001.

Fernandes AT, Fernandes MOV, Ribeiro Filho N.Infecção hospitalar e suas interfaces na área dasaúde. São Paulo: Atheneu; 2000.

Brasil. Ministério da Saúde. Orientações geraispara Central de Esterilização. Brasília; 2001.

Graziano KU, Castro MES, Moura MLA. A impor-tância do procedimento de limpeza nos processos dedesinfecção e esterilização de artigos. Rev SOBECC.2002;7(3):9-23.

Moura MLP. Enfermagem em centro de materiale esterilização. São Paulo: SENAC; 1999.

Souza VHS, Mozachi N. O hospital: manual doambiente hospitalar. Curitiba; 2005.

Moriya GAA. Avaliação da esterilidade de ma-teriais molhados/úmidos após autoclavação e ar-mazenamento [dissertação]. São Paulo: Escola deEnfermagem, Universidade de São Paulo; 2005.

Moriya GAA, Graziano KU. Avaliação da manu-tenção da esterilidade de materiais úmidos/molha-dos após a esterilização por vapor e armazenamen-to por 30 dias. Rev Lat-Am Enferm. 2010. [citado2012 mai 01];18(4) Disponível em: http://www.scie-lo.br/pdf/riae/vl8n4/pt_18.pdf

Pedrosa TMG, Couto RC. Central de materialesterilizado e processos de esterilização. In: CoutoRC, Pedrosa TMG, Nogueira JM. Infecção hospita-lar: epidemiologia e controle. 21 ed. Rio de Janeiro:MEDSI; 1999.

Moriya GAA. Prazo de validade de esterilizaçãode materiais utilizados na assistência à saúde: umestudo experimental [tese]. São Paulo: Escola deEnfermagem, Universidade de São Paulo; 2012.

Association for the Advancement of MedicalInstrumentation. American National Standart. Steamsterilization and sterility assurance in health carefacilities. Arlington; 2002.

Karle DA, Ryan P. Guidelines for evaluating wetpacks.AORN J. 1983;38(2):244-56.

Moses RF. Why is a little water such a big deal?Mater Manage Health Care. 1994;3(3):67-70.


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Claudia Braga Macagnani, Silvia Ricci Toneili

Rev SOBECC, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2358-2871

Licença Creative Commons Revista SOBECC está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia