Hipertermia maligna no centro cirúrgico: a equipe de enfermagem sabe reconhecer e intervir?

Mariana Mystica Silva Titato, Rachel De Carvalho

Resumo


Objetivo: Verificar o conhecimento da equipe de enfermagem do bloco cirúrgico (BC) sobre diagnóstico e tratamento da hipertermia maligna.
Método: Pesquisa de campo, correlacional, análise quantitativa. Coleta de dados junto a 50 profissionais da equipe de enfermagem (34 técnicos e 16 enfermeiros)
que atuam nos dois BC de um hospital particular de extraporte de São Paulo, que responderam dez questões de múltipla escolha (seis de diagnóstico
e quatro de tratamento). Análise descritiva e comparação de médias por teste t de Student. Resultados: Obteve-se médias de acertos de 62,5%
nas questões de diagnóstico e de 71,2% nas de tratamento; a porcentagem de acertos em diagnóstico foi significativamente menor do que em tratamento
(p=0,007); média de acertos de 6,52 (6,4 para técnicos e 6,8 para enfermeiros); não houve significância quanto ao total de acertos entre os dois grupos
(p>0,05). Conclusão: Os profissionais demonstraram conhecimento razoável sobre hipertermia maligna, evidenciando mais de 50,0% de acertos.


Palavras-chave


Centro cirúrgico

Texto completo:

PDF PDF/A (English)

Referências


Silva HCA, Almeida CS, Brandão JCM, Silva CAN, Lorenzo MEP, Ferreira

CBND, et al. Hipertermia maligna no Brasil: análise da atividade do

hotline em 2009. Rev Bras Anestesiol [Internet]. 2013 [citado 2015

ago. 18];63(1):13-26. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rba/

v63n1/v63n1a02.pdf

L itman RS. Malignant hyperthermia: clinical diagnosis and management

of acute crisis [Internet]. Oxford: UpToDate Database; 2013 [citado

ago. 22]. Disponível em: http://www.uptodate.com/contents/

malignant-hyperthermia-clinical-diagnosis-and-management-ofacute-

crisis

Associação Brasileira de Enfermeiros de Centro Cirúrgico, Recuperação

Anestésica e Centro de Material e Esterilização (SOBECC). Práticas

recomendadas: centro de material e esterilização, centro cirúrgico,

recuperação pós-anestésica. 6ª ed. São Paulo: Manole; 2013. Parte

III – Recuperação pós-anestésica. Capítulo 5, Complicações na

recuperação pós-anestésica. p.326-31.

Parra SHB, tradutora. Padrões da Association of periOperative

Registered Nurses (AORN) sobre Hipertermia Maligna (HM) adequados

à realidade brasileira. Rev SOBECC. 2003;4(4):10-5.

Sociedade Brasileira de Anestesiologia. Associação Médica Brasileira

e Conselho Federal de Medicina. Projeto Diretrizes. Hipertermia

Maligna [Internet]. 2009 Set. 29 [citado 2015 Set. 11]. Disponível

em: https://diretrizes.amb.org.br/_BibliotecaAntiga/hipertemiamaligna.

pdf

Simões CM, Koishi GN, Rozatti M, Amaral JLG. Estamos preparados

para diagnosticar um episódio de hipertermia maligna? Rev Bras

Anestesiol. 2003;53(2):248-57.

Cunha LBP, Pires O. Anestesia para suscetíveis à hipertermia

maligna: aspectos farmacológicos do Dantrolene Sódico. Rev

Neurocien [Internet]. 2005 [citado 2015 set. 22];13(3):79-

Disponível em: http://www.revistaneurociencias.com.br/

edicoes/2005/RN%2013%20SUPLEMENTO/Pages%20from%20

RN%2013%20SUPLEMENTO-21.pdf

V asconcelos JVRM, Suguita FH, Cardoso AR, Bozola AR. Hipertermia

maligna em paciente submetida à correção de gigantomastia: relato

de caso. Rev Soc Bras Cir Plast [Internet]. 2007 [citado 2015 set.

;22(2):126-30. Disponível em: http://www.rbcp.org.br/imageBank/

PDF/22-02-10.pdf

Brasil. Conselho Nacional de Saúde [Internet]. Resolução n.º 466,

de 12 de dezembro de 2012. Dispõe sobre os requisitos e normas

de pesquisas científicas envolvendo seres humanos. Brasília; 2012.

Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/

Reso466.pdf

Sousa CS, Cunha AL M. Conhecimento dos profissionais de enfermagem

de centro cirúrgico sobre hipertermia maligna. Rev Gaúcha Enferm

[Internet]. 2014 set. [citado 2015 out. 13];35(3):43-8. Disponível em:

http://seer.ufrgs.br/index.php/RevistaGauchadeEnfermagem/article/

view/44643/31315

Brasil. Secretaria Municipal da Saúde. Legislação Estadual. Resolução

SS nº 59, de 22 de julho de 2004. Doenças de notificação compulsória

no Estado de São Paulo. [legislação na internet]. [citado 2017 mar. 29].

Disponível em: http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/

saude/legislacao/index.php?p=6297

Sousa CS, Diniz TRZ, Cunha AL SM. Hipertermia maligna: proposta de um

protocolo assistencial para o centro cirúrgico. Rev Enferm UFPE [Internet]. 2013

Nov [citado 2015 out. 13];7:6714-8. Disponível em: http://www.researchgate.

net/publication/258540105_HIPERTERMIA_MAL IGNA_PPROPOST_DE_

UM_PROTOCOLO_ASSISTENCIAL _PARA_O_CENTRO_CIRRGCIR

A merican Association of Nurse Anesthetists [Internet]. Position

statement number 2.5: malignant hyperthermia crisis preparedness

and treatment. Park Ridge (IL); c2009 [citado 2016 nov. 30]. Disponível

em: http://www.aana.com/resources2/professionalpractice/Pages/

Malignant-Hyperthermia-Crisis-Preparedness-and-Treatment.aspx

Hospital Israelita Albert Einstein. Protocolo Institucional de Atendimento

ao Paciente com Hipertermia Maligna [Internet]. 2009 [citado 2015

nov. 10]. Disponível em: http://enfermeiros-intensivistas.webnode.

pt/products/protocolo-institucional-de-atendimento-ao-pacientecom-

hipertermia-maligna/




DOI: https://doi.org/10.5327/Z1414-4425201700020005

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Rachel De Carvalho, Mariana Mystica Silva Titato

Rev SOBECC, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2358-2871

Licença Creative Commons Revista SOBECC está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia