Situação de desastre: Atuação da equipe de enfermagem em cirurgias emergenciais

Michele Amâncio da Silva, Rachel de Carvalho

Resumo


Este trabalho caracteriza-se por uma pesquisa com abordagem quantitativa, realizada pormeio de revisão narrativa de literatura, com o objetivo de descrever a atuação do enfermeiro frente aopaciente a ser submetido à cirurgia de emergência,em situação de desastre. A busca foi realizada nasbases de dados LILACS, SciELO e Science Direct,nos idiomas Português e Inglês, compreendendoo período de 1992 a 2010. Foram selecionados 18 artigos para fazerem parte da amostra, sendo dez nacionais e oito internacionais. São descritas asações da equipe de enfermagem nos processos de triagem, missão do Centro Cirúrgico (CC), plano de ação, gerenciamento do CC, checklist em situaçãode desastre e considerações gerais acerca do perioperatório. Conclui-se que o enfermeiro tem um papel fundamental no plano de desastre, pois é o responsável pelo planejamento e pelo treinamento da equipe, um fator intrínseco no atendimento às múltiplas vítimas.

Palavras-chave


Enfermagem de centro cirúrgico;Assistência perioperatória; Cuidados críticos; So-corro de urgência; Serviços médicos de emergência.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Standing together: an emergency planning guide for america's communities [Internet]. Joint Commission on Accreditation of Healthcare Organization; 2005. [cited 2011 Jun 14]. Available from: http:ii www.jointcommission.org/assets/1/1 8iplanning guide.pdf

Chapman K, Arbon P. Are nurses ready? Disaster preparedness in the acute setting. Australas Emerg Nurs J. 2008;11:135-44.

Roccaforte JD, Cushman JG. Disaster preparedness, triage, and surge capacity for hospital definitive care areas: optimizing outcomes when demands exceed resources. Anesthesiol Clin. 2007-125(1):1611-77.

Hick LJ, Hanfling D, Burstein JL, DeAtley O, Barbish D, Bogdan GM, et ai. Health care facility and community strategies for patient care surge capacity. Ann Emerg Med. 2004;44(3):253-61.

PengfeiYl, Santhosh KG, JomonAP, Li L. Hospital capacity planning for disaster emergency management. Socioecon Plann Sci. 2010;44:151-60. CBPR. Catástrofes e atendimento a múltiplas vítimas [Internet]. Paraná; 2006. [citado 2011 mar 231. Disponível em: http:/iwww.defesacivil.pr.gov.br/arquivos/ Filei.. .2icap28amuvi.pdf

Manual de atendimento pré-hospitalar SIATE/CBPR. Catástrofes e atendimento a múltiplas vítimas [Internet]. Paraná; 2006. [citado 2011 mar 231. Disponível em: http:/iwww.defesacivil.pr.gov.br/arquivos/Filei..2icap28amuvi.pdf

Ferreira ABH. Mini Aurélio século XXI: o minidicionário da língua portuguesa. 41 ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira; 2001.

Castro ALC, Calheiros LB. Manual de medicina de desastres. 3a ed. Brasília: Ministério da Integração Nacional. Secretaria Nacional de Defesa Civil; 2007. v. 1.

Sato G, Pádua MJ, Ferreira O, Martuchi SD. Planta física adaptada ao atendimento de múltiplas vítimas [Internet]. 2005. [citado 2011 jun 28]. Disponível em: http://pt.scribd.com/doc/60116898/sala-emergencia

Girardon-Perlini NMO, Pilatto MTS. Entre o medo da morte e a confiança na recuperação: a experiência da família durante um atendimento de emergência. Rev Eletron Enferm [Internet]. 2008 [citado 2011 jun 14];110(3)-721-32. Disponível em: http:iiwww.fen.ufg. br/revista/v11 0/n3/v1 0n3a1 8.htm.

CaIiIAM. Estrutura organizacional de um serviço de emergência. In: Calil AM, Paranhos WY. O enfermeiro e as situações de emergências. São Paulo: Atheneu; 2007. p.15-22.

Brasil. Ministério da Integração Nacional, Secretaria Nacional de Defesa Civil. Conferência geral sobre desastres: para prefeitos, dirigentes de instituições públicas e privadas e líderes comunitários. Brasília; 2007.

Bueno GF, Carvalho R. Assistência de enfermagem no período transoperatório em pacientes vítimas de trauma [monografia]. São Paulo: Faculdade de Enfermagem do Hospital Israelita Albert Einstein; 2009. 6. Manual de atendimento pré-hospitalar SIATE /

Ferreira LR, Carvalho R. Assistência de enfermagem no período transoperatório em pacientes vítimas de trauma: revisão de literatura [monografia] São Paulo: Faculdade de Enfermagem do Hospital Israelita Albert Einstein; 2009.

Calil AM, Costa ALS, Leite RCBO, Moretto SA. O paciente cirúrgico na situação de urgência e emergência. Rev SOBECC. 2010;15(2):26-32.

Severino N. Metodologia do trabalho científico 231 ed. 31 reimp. São Paulo: Cortez; 2007.

ChristopherAK, CarI HS, KenTM, Craig LA. Does START triage work? An outcomes assessment after a disaster. Ann Emerg Med. 2009;53(3):424-30.

Marousky RT. Disaster planning: realistic ideas for the operating room. AORN J. 1992-156(4):679-87.

Heide EA. Disaster planning, part II: Disaster problems, issues, and chalienges identified in the research literature. Emerg Med Clin NorthAm. 1996;14(2):453-81.

Sociedade Brasileira de Enfermeiros de Centro Cirúrgico, Recuperação Anestésica e Centro de Material e Esterilização (SOBECC). Práticas recomendadas - SOBECC. 5 1 ed. São Paulo: SOBECC; 2009.

Rothrock JC. Alexander. Cuidados de enfermagem ao paciente cirúrgico. 131 ed. Rio de Janeiro: Elsevier; 2007. Autoras


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Michele Amâncio da Silva, Rachel de Carvalho

Rev SOBECC, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2358-2871

Licença Creative Commons Revista SOBECC está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia