Fundamentos para uso seguro das lavadoras termodesinfetadoras com ênfase na liberação para uso após intervenção técnica

Paulo Roberto Laranjeira, Jeane Aparecida Gonzalez Bronzatti, Rafael Queiroz de Souza, Kazuko Uchikawa Graziano

Resumo


No cotidiano dos Centros de Material e Esterilização (CMEs), observa-se que as lavadoras termodesinfetadoras submetidas a intervenções técnicas
para correção de falhas são liberadas para uso sem evidência de operação conforme os parâmetros requeridos para realizar limpeza e termodesinfecção
eficientes. Considerando a importância da prevenção das infecções relacionadas à assistência à saúde, este estudo apresenta como inovação a sistematização
dos ensaios requeridos para a liberação de termolavadoras após intervenções técnicas, assim como as informações necessárias para a conservação
desses equipamentos em condições ótimas de operação. A liberação segura do equipamento deve incluir a avaliação dos parâmetros de temperatura e
tempo em comparação aos dados obtidos na qualificação, a conferência do volume de detergente admitido durante a limpeza, a avaliação da eficácia da
limpeza com monitores comercialmente disponíveis, o estabelecimento de um controle de mudanças e um protocolo para direcionar a requalificação,
atendendo à legislação nacional e Às recomendações internacionais.


Palavras-chave


Manutenção de equipamento. Detergentes. Desinfecção.

Texto completo:

PDF PDF/A (English)

Referências


Giambrone GP, Hemmins HC, Sturm M, Fleischut PM. Information technology innovation: the power and perils of big data. British Journal of Anaesthesia. 2015; 115 (3): 339-42.

Brasil. Ministério da Saúde. Resolução da diretoria colegiada nº 15, de 15 de março de 2012. Dispõe sobre requisitos de boas práticas para o processamento de produtos para saúde e dá outras providências. Brasília, 2012.

Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) NBR ISO 15883, Lavadoras desinfetadoras. Parte 1: Requisitos gerais, termos, definições e ensaios. Rio de Janeiro: ABNT; 2013.

Arbeitskreis Instrumenten-Aufbereitung. Working Group Instrument Reprocessing. Instrument reprocessing: Reprocessing of Instruments to Retain Value, 10. ed, 2012. Disponível em:

http://www.a-k-i.org/index.php?id=11&L=1&id=11&no_cache=1&download=RB_GB_10_WEB_01.pdf&did=21

Brasil. Ministério da Saúde. Resolução da diretoria colegiada nº 55, de 14 de novembro de 2012. Dispõe sobre os detergentes enzimáticos de uso restrito em estabelecimentos de assistência à saúde com indicação para limpeza de dispositivos médicos e dá outras providências. Brasília, 2012.

Association for the Advancement of Medical Instrumentation (AAMI). Water for the reprocessing of medical devices. Arlington, VA: Association for the Advancement of Medical Instrumentation; 2007. AAMI Technical information report 34. TIR34:2007.

Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). NBR ISO 17665-2, Esterilização de produtos para saúde - Vapor – Parte 2: Guia de aplicação da ABNT NBR ISO 17665-1. Rio de Janeiro: ABNT; 2013.

Blechschmidt T. Routine Control of Washer-Disinfectors. Zentral sterilization central service. 2012; 5: 330-335.

Harty Z, Benz L. Washer monitoring: A must-have for today´s best practices (part 2). Healthcare Purchasing News – Self-Study Series. KSR Publishing, Sarasota. 2012; 30-33.

International Standard Organization. ISO 15883-5, Washer-disinfectors. Part 5: Test soils and methods for demonstrating cleaning efficacy; 2005.

Alfa MJ, Olson N. Comparison of washer-disinfector cleaning indicators: Impact of temperature and cleaning cycle parameters. American Journal of Infection Control. 2014; 42: e23-e26.

Alfa MJ. Monitoring and improving the effectiveness of cleaning medical and surgical devices. American Journal of Infection Control, 2013; 41: s56-s59.

Alfa MJ, Olson N, Al-Fadhaly A. Cleaning efficacy of medical device washers in North American healthcare facilities. Journal of Hospital Infection. 2010; 74: 168-177.

McCormich PJ, Schoene MJ, Dehmler MA, McDonnell G. Moist heat disinfection and revisiting the A0 Concept. AAMI – Industrial Sterilization: Challenges and Solutions for Medical Devices. 2016: 19-26.

Rosenberg, U. Thermal Disinfection – The A0 Concept and the Biological Background, Central Service, Volume 11. Suíça, 2003.

Uetera Y, Kawamura K, Kobayashi H, et al. Studies on Viral Disinfection: An evaluation of moist heat disinfection for HBV by using A0 concept defined in ISO 15883-washer-disinfectors. PDA J Pharm Sci and Tech. 2010, 64: 327-336.

Rutala WA, Weber JD, Gergen MF, Gratta A R. Efficacy of a washer –pasteurizer for disinfection of respiratory – care equipament. Infect Control Hosp Epidemiol. 2000; 21(5):333-6.

Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). NBR ISO 17665-1, Esterilização de produtos para saúde - Vapor – Parte 1: Requisitos para o desenvolvimento, validação e controle de rotina nos processos de esterilização de produtos para saúde. Rio de Janeiro: ABNT; 2010.




DOI: https://doi.org/10.5327/Z1414-4425201600030009

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Paulo Roberto Laranjeira, Jeane Aparecida Gonzalez Bronzatti, Rafael Queiroz de Souza, Kazuko Uchikawa Graziano

Rev SOBECC, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2358-2871

Licença Creative Commons Revista SOBECC está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia