Centro de material de esterilização: parâmetros espaciais e riscos físicos

Andréa Borges Araruna, Maria Belén Salazar Posso

Resumo


Objetivo: O objetivo deste trabalho foi identificar os riscos físicos presentes no Centro de Material e Esterilização de dois Estabelecimentos de Assistência à Saúde (EAS) públicos. Método: Trata-se de um estudo descritivo-exploratório, de campo, transversal, com abordagem quantitativa. Por meio de um checklist baseado na RDC ANVISA nº 50/2002, coletaram-se os dados da dimensão físicoespacial dos Centros de Material e Esterilização e da presença de riscos físicos, em maio de 2013. Resultados: Na estrutura organizacional, verificou-se que ambos os EAS possuem Centro de Material e Esterilização centralizado; porém, seu dimensionamento físico-espacial e fluxo direcional entre as áreas são inadequados, assim como seus pisos, tetos, paredes, portas, ventilação, temperatura e iluminação não atendem a essa resolução. Conclusão: Ambos os hospitais respeitam parcialmente as normas estabelecidas, comprometendo a qualidade do trabalho desenvolvido no Centro de Material e Esterilização e, ainda, tais condições constituem se em sério risco para a saúde dos trabalhadores.

Palavras-chave


Riscos ocupacionais; Enfermagem; Esterilização; Arquitetura Hospitalar.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Silva A. Organização do Centro de material e esterilização In: Graziano KU, Silva A, Psaltikkidis EM, organizadores. Enfermagem em Centro de Material e Esterilização. Barueri: Manole; 2011. p. 1-21.

Baptista PCP, Silva A, Bianchi ERF. A saúde do trabalhador de enfermagem no Centro de material e esterilização. In: Graziano KU, Silva A, Psaltikkidis EM, organizadores. Enfermagem em Centro de Material e Esterilização. Barueri: Manole; 2011. p. 301-318.

Sociedade Brasileira de Enfermeiros de Centro Cirúrgico Recuperação Anestésica e Centro de Material e Esterilização - SOBECC. Práticas recomendadas da SOBECC. 5. ed. São Paulo: SOBECC; 2013.

Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Consulta Pública nº 34, de 3 de junho de 2009. Dispõe sobre o funcionamento de serviços que realizam o processamento de produtos para a saúde e dá outras providências [internet]. Diário Oficial da União; Brasília; jun. 2009 [acesso em 2013 abr 13]. http://www.anvisa.gov.br/divulga/consulta/index.htm.

Brasil. Ministério da Saúde. Resolução RDC nº 50, de 21 de fevereiro de 2002. Dispõe sobre o regulamento para o planejamento, elaboração, avaliação e aprovação de projetos físicos de Estabelecimentos Assistenciais de Saúde [internet]. Diário Oficial da União; Brasília; 2002. [acesso em 2013 jan 13] Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2002/res0050_21_02_2002.html.

Mauro MYC, Muzi CD, Guimarães RM, Mauro CCC. Riscos ocupacionais em saúde. R Enferm. UERJ. 2004;12(2):338-45.

Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Serviços odontológicos: prevenção e controle de riscos [internet]. Brasilia; 2006 [acesso em abr 12]. Disponível em: http://www.anvisa.gov.br/servicosaude/manuais/manual_odonto.pdf.

Posso MBS, Sant’Anna ALGG. Riscos físicos e químicos que envolvem o trabalho em centro cirúrgico. In: Carvalho R, Bianchi ERF. Enfermagem em centro cirúrgico e recuperação. Barueri: Manole; 2007. p. 335-68.

Campanhole A, Campanhole HL. Consolidação das Leis do Trabalho. 108.ed, São Paulo: Atlas; 2004.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 777, de 28 de abril de 2004. Dispõe sobre os procedimentos técnicos para a notificação compulsória de agravos à saúde do trabalhador em rede de serviços sentinela específica, no Sistema Único de Saúde – SUS. Diário Oficial da União; Brasília; abr. 2004.

Brasil. Ministério do Trabalho e Emprego. Portaria nº 1748, de 30 de agosto de 2011 [internet]. Diário Oficial da União; Brasília; ago. 2011 [acesso em 2013 abr 12]. Disponível em: http://portal.mte.gov.br/data/files/8A7C816A31F92E65013224E36698767F/p_20110830_1748%20.pdf.

Bokor AFK, Carvalho, R. Riscos físicos no centro cirúrgico. Rev. SOBECC. 2004;9(3):20-4.

Costa TF, Felli VEA. Exposição dos trabalhadores de enfermagem às cargas químicas em um hospital público universitário da cidade de São Paulo. Rev. Latino-am. Enferm. 2005;13(4):501-8. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692005000400007

Costa MAF, Costa MFB, Melo NSFO. Biossegurança: ambientes hospitalares e odontológicos. São Paulo: Santos; 2000.

Benedett A, Ferraz L, Posso MBS. Os riscos de acidentes de trabalho em unidades de terapia intensiva neonatal. In: Tondin CF, organizador. Contribuições para a humanização do Trabalho. Chapecó: Sinproeste; 2009. p. 236-48.

Guadagnin SVT. Avaliação arquitetônica dos centros de material e esterilização de hospitais do interior do estado de Goiás [dissertação]. Goiânia: Faculdade de Enfermagem, Universidade Federal de Goiás; 2006.

Soares TN. Revestimento de pisos hospitalares: avaliação das condições de uso em Porto Alegre [monografia]. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2009.

Lôbo MCA. A Central de Material Esterilizado Terceirizada e sua arquitetura [monografia]. Salvador: Faculdade de Enfermagem, Universidade Federal da Bahia; 2008.

Quadros ME. Qualidade do ar em ambientes internos hospitalares: parâmetros físico-químicos e microbiológicos [tese]. Florianópolis: Faculdade de Enfermagem, Universidade Federal de Santa Catarina, 2008.

Castro MES. Condições de trabalho e fatores de risco à saúde dos trabalhadores do centro de material esterilizado do hospital de clínicas da UFPR [tese]. Florianópolis: Faculdade de Enfermagem, Universidade Federal de Santa Catarina; 2003.


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Andréa Borges Araruna, Maria Belén Salazar Posso

Rev SOBECC, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2358-2871

Licença Creative Commons Revista SOBECC está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia