Pacientes críticos na Unidade de Recuperação Pós-anestésica: revisão integrativa

Eliane Laranjeira Saraiva, Cristina Silva Sousa

Resumo


Objetivo: Identificar artigos relacionados à assistência de enfermagem para pacientes críticos no pós-operatório imediato na recuperação pós-anestésica. Método: Revisão integrativa, que contempla as seguintes etapas: elaboração da questão norteadora; estabelecimento dos critérios de inclusão e exclusão; definição das informações a serem extraídas do estudo; avaliação dos estudos incluídos; interpretação dos resultados e apresentação da revisão. Foram utilizadas as bases de dados e/ou portais: BVS, PubMed, Scopus, COCHRANE, Web of Science e CINAHL. Resultados: Foram encontrados sete artigos. A assistência de enfermagem evidenciada por este estudo compreendeu na realização da monitorização hemodinâmica invasiva e não invasiva, no exame físico pulmonar, no controle do débito urinário, no balanço hidroeletrolítico e acidobásico, nas coletas de exames laboratoriais e sua interpretação e nas recomendações para intervenções em crises respiratórias. Conclusão: Evidenciou-se a necessidade de um olhar crítico associado ao conhecimento clínico do enfermeiro a fim de prestar cuidados intensivos durante a permanência do paciente na recuperação anestésica.

Palavras-chave


Enfermagem em sala de recuperação; Enfermagem perioperatória; Cuidados intensivos

Texto completo:

PDF/A PDF/A (English)

Referências


Lourenço MB, Peniche AC, Costa AL. Unidades de recuperação pós-anestésica de hospitais brasileiros: aspectos organizacionais e assistenciais. Rev SOBECC. 2013;18(2):25-32.

Moraes LO, Peniche AC. Assistência de enfermagem no período de recuperação anestésica: revisão de literatura. Rev Esc Enferm USP. 2003;37(4):34-42.

Sociedade Brasileira de Enfermeiros de Centro Cirúrgico, Recuperação Anestésica e Centro de Material e Esterilização. Práticas recomendadas – SOBECC. 6 ed. São Paulo: SOBECC; 2013.

Conselho Federal de Medicina. Resolução nº 1363/1993. Regulamenta a prática da anestesia. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília; 22 mar. 1993; Seção 1: 3439.

Souza TM, Carvalho R, Paldino CM. Diagnóstico, prognóstico e intervenções de enfermagem na sala de recuperação pós-anestésica. Rev SOBECC. 2012;17(4):33-47.

Kaplow R. Care of postanesthesia patients. Crit Care Nurse. 2010;30(1):60-2.

Balsanelli AP, Zanei SS, Whitaker IY. Carga de trabalho de enfermagem e sua relação com a gravidade dos pacientes cirúrgicos em UTI. Acta Paul Enferm. 2006;19(1):16-20.

Odom-Forren J. The pacu as critical care unit. J Perianesthes Nurs. 2003;18(6):431-3.

White C, Pesut B, Rush K. Intensive care unit patients in the postanesthesia care unit: a case study exploring nurses’ experiences. J Perianesth Nurs. 2014;29(2):129-37.

Forren JO. The PACU as critical care unit. J Perianesth Nurs. 2013;18(6):431-3.

Lima LB, Borges D, Costa S, Rabel E. Classificação de pacientes segundo o grau de dependência dos cuidados de enfermagem e a gravidade em unidade de recuperação pós-anestésica. Rev Latino-Am Enferm. 2010;18(5):881-7.

Whittemore R, Knafl K. The integrative review: update methodology. J Adv Nurs. 2005;52(5):546-53.

Santos CM, Pimenta CA, Nobre MR. A estratégia PICO para a construção da pergunta de pesquisa e busca de evidências. Rev Latino-Am Enferm. 2007;15(3):1-4.

Ursi ES, Galvão CM. Prevenção de lesões de pele no perioperatório: revisão integrativa da literatura. Rev Latino-Am Enferm. 2006;14(1):124-31.

Galvão CM, Sawada NO, Mendes IA. A busca das melhores evidências. Rev Esc Enferm USP. 2003;37(4):43-50.

Center for Evidence-based Medicine. Oxford Centers for Evidencebased Medicine. [Internet]. 2009 [citado 02 Nov 2014]. Disponível em: http://www.cebm.net/oxford-centre-evidence-based-medicinelevels-evidence-march-2009/

Bryant C, Ray C, Wren T. Abdominal aortic aneurysm repair: a look at the first 24 hours. J Perianesth Nur. 2002;17(3):164-9.

Reed C. Care of postoperative patients with adult respiratory distress syndrome. J Perianesth Nur. 1996;11(6):410-6.

Barone CP, Lightfoot ML, Barone GW. The postanesthesia care of an adult renal transplant recipient. J Perianesth Nurs. 2003;18(1):32-41.

Libman RH, Keithley J. Relieving airway obstruction in the recovery room. Am J Nurs. 1975;75(4):603-5.

Scott B. Airway management in post anaesthetic care. J Perioper Pract. 2002;22(4):135-8.

Belinkoff S. The recovery room and respiratory care. Int Anesthesiol Clin. 1971;9(4):21-9.

Moss DD, Cuddeford JD. Implications of obstructive sleep apnea syndrome for the perianesthesia nurse. J Perianesth Nurs. 2006; 21(2):103-15.

Cove ME, Pinsky MR. Perioperative hemodynamic monitoring. Best Pract Res Clin Anestesthesiol. 2012;26(4):453-62.

Hirata ES, Baghin MF, Pereira RI, Alves Filho G, Udelsman A. Influência da técnica anestésica nas alterações hemodinâmicas no transplante renal. Estudo retrospectivo. Rev Bras Anestesiol. 2009;59(2):166-76.

Bridges E. Using functional hemodynamic indicators to guide fluid therapy. AJN. 2013;113(5):42-50.

Rodrigues AJ, Évora PR, Vicente WV. Complicações respiratórias no pós-operatório. Medicina (Ribeirão Preto). 2008;41(4):469-76.

Helayel PE, Filho GR, Marcon L, Pederneiras FH, Nicolodi MN, Pederneiras SG. Gradiente SpO2 – SaO2 Durante Ventilação Mecânica em Anestesia e Terapia Intensiva. Rev Bras Anestesiol. 2001;51(4):305-10.

González R. Apnea obstructiva del sueño desde la perspectiva del cardiólogo clínico. Avances Cardiol. 2014;34(2):158-66.

Poveda VB, Galvão CM, Santos CB. Fatores relacionados ao desenvolvimento de hipotermia no período intraoperatório. Rev Latino-Am Enferm. 2009;17(2):228-33.

Biazzotto CB, Brudniewski M, Schmidt AP, Júnior JO. Hipotermia no Período Peri-Operatório. Rev Bras Anestesiol. 2006;56(1):89-106.

Galvão CM, Marck PB, Sawada NO, Clark AM. A systematic review of the effectiveness of cutaneous warming systems to prevent hypotermia. J Clin Nurs. 2009;18(5):627-36.




DOI: https://doi.org/10.5327/Z1414-4425201500020006

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2015 Eliane Laranjeira Saraiva, Cristina Silva Sousa

Rev SOBECC, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2358-2871

Licença Creative Commons Revista SOBECC está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia