Armazenamento dos produtos para saúde estéreis em unidades assistenciais: estudo descritivo

Adriana Cristina de Oliveira, Ivone Coutinho Mussel, Adriana Oliveira de Paula

Resumo


Objetivo: Analisar as condições dos locais de guarda dos produtos para saúde estéreis em unidades assistenciais de hospitais de grande porte de Belo Horizonte, Minas Gerais. Método: Conduziu-se um estudo exploratório, descritivo, entre maio e setembro de 2013. Utilizou-se um instrumento validado para a realização da análise descritiva. Resultados: Foram visitadas 33 unidades assistenciais, entre elas Centros de Terapia Intensiva (39,4%), Centros Cirúrgicos (33,3%) e Unidades de Pronto Atendimento (27,3%). Os locais de acondicionamento do produto foram identificados (81,8%), feitos de revestimento lavável (93,9%) e armazenados em armários fechados (75,8%). A validade da esterilização foi observada em 97% das instituições pesquisadas. Foram encontradas áreas não exclusivas para guarda de artigos esterilizados. Conclusão: Observou-se uma escassez de estudos na literatura sobre o tema. Constatou-se que as recomendações dos órgãos regulamentadores em saúde, quanto às condições de armazenamento do produto estéril nas unidades assistenciais, não estão sendo observadas em sua totalidade.

Palavras-chave


Almoxarifado Central Hospitalar. Armazenagem de Produtos. Embalagem de Produtos. Esterilização. Segurança do Paciente.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Associação Paulista de Epidemiologia e Estudos em Controle de Infecção Relacionada à Assistência à Saúde (APECIH). Limpeza, desinfecção e esterilização de artigos em serviços de saúde. 1 ed. São Paulo: APECIH; 2010.

Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) nº 15, de 15 março de 2012. Dispõe sobre requisitos de boas práticas para o processamento de produtos para saúde e dá outras providencias. Diário Oficial da União (Brasília), 2012 Mar 19.

Serratine ACP, Gonçalves CS, Luçolli IC. Influência do armazenamento e da embalagem na manutenção da esterilidade do instrumental odontológico. Rev Eletron Enferm [Internet]. 2009 [cited 2013 Nov 08];11(1):158-64. Available from: http://www.fen.ufg.br/revista/v11/n1/pdf/v11n1a20.pdf

Possari JF. Centro de material e esterilização: planejamento, organização e gestão. 4 ed. São Paulo: Iátria; 2011. 230p.

Associação Brasileira de Enfermeiros de Centro Cirúrgico, Recuperação Anestésica e Centro de Material e Esterilização – SOBECC. Práticas recomendas SOBECC: centro de material e esterilização, centro cirúrgico e recuperação pós anestésica. 6 ed. São Paulo: SOBECC; 2013.

Rutala WA, Weber DJ. Guideline for disinfection and sterilization in healthcare facilities. Atlanta (EUA): Centers for Disease Control and Prevention (CDC); 2008.

Graziano KU, Padoveze MC. Indicadores de avaliação do processamento de artigos odonto-médico-hospitalares: elaboração e validação. Rev Escola Enferm USP [Internet]. 2009 [cited 2013 Nov 08]; 43(2):1174-80. Available from: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v43nspe2/a05v43s2.pdf

Candé TA, Tipple AFV, Mendonça KM, Souza ACS, Miranda PV, Pimenta FC. Influência da limpeza na esterilidade de tubos de silicone: estudo quase experimental. Online Braz J Nurs [Internet]. 2011 [cited 2013 Nov 08];10(3). Available from: http://www.objnursing.uff.br/index.php/nursing/article/view/3696

Association for the Advancement of Medical Instrumentation (AAMI). Comprehensive guide to steam sterilization and sterility assurance in health care facilities. ANSI/AAMI st79; 2009.

Costa LFV, Freitas MIP. Reprocessamento de artigos críticos em unidades básicas de saúde: perfil do operador e ações envolvidas. Rev Bras Enferm. 2009;62(6):811-9.

Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Resolução da Diretoria Colegiada (RDC), n. 50 de 21 de fevereiro de 2002. Dispõe sobre regulamento técnico para planejamento, programação, elaboração, avaliação e aprovação de projetos físicos de estabelecimentos assistenciais de saúde. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, 21 fev. 2002 [citado 10 Set 2013]. Disponível em: www.anvisa.gov.br

Association of Operating Room Nurses (AORN). Recommended practices for sterilization in the perioperative practice setting. In: AORN perioperative standards and recommended practices. Denver; 2012.

Joan LS, Norhashimawati AV, Khor S. Time versus event-related sterility; linen & pouch packaging remain sterile over a year of storage and handling. Singapore Nurs J. 2010;37(1):34-43.

Moriya GAA, Kazuko UG. Avaliação da manutenção da esterilidade de materiais úmidos/molhados após a esterilização por vapor e armazenamento por 30 dias. Rev Latin-Am Enferm [Internet]. 2010 [cited 2013 Nov 08];18(4):786-91. Available from: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v18n4/pt_18.pdf

Oliveira AC, Cardoso CS, Mascarenhas D. Conhecimento e comportamento dos profissionais de um centro de terapia intensiva em relação à adoção das precauções de contato. Rev Latin-Am Enferm [Internet]. 2009 [cited 2013 Nov 08];17(5):625-31. Available from: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v17n5/pt_05.pdf

Williamson JE. Sterility in supply storage areas. Healthcare purchasing news. In: International Association of Healthcare Central Service Material Management (IAHCSMM). Annual Meeting, Louisville, K.Y. August; 2013.

Garcia SD, Gil RB, Laus AM, Haddad MCL, Vannuchi MTO, Taldivo MA. Gerenciamento de recursos materiais na prática da higienização das mãos. Rev Enferm UFPE [Internet]. 2013 [cited 2013 Nov 08];7(5):1342-8. Available from: http://www.revista.ufpe.br/revistaenfermagem/index.php/revista/article/viewArticle/4673

McAuley T. Specifications for temperature and humidity in sterile storage environments. Where’s the evidence? Healthcare Infection [Internet]. 2009 [cited 2013 Nov 08];14:131-7. Available from: http://www.publish.csiro.au/?act=view_file&file_id=HI09020.pdf

Freitas LR, Tipple AFV, Felipe DP, Rodrigues NSR, Melo DS. Embalagem de tecido de algodão: análise do uso em hospitais de médio e grande porte. Rev Eletr Enferm [Internet]. 2012 [cited 2 Ago 2013]; 14(4):811-20. Available from: http://www.fen.ufg.br/revista/v14/n4/v14n4a09.htm




DOI: https://doi.org/10.5327/Z1414-4425201400040003

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Adriana Cristina de Oliveira, Ivone Coutinho Mussel, Adriana Oliveira de Paula

Rev SOBECC, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2358-2871

Licença Creative Commons Revista SOBECC está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia