Cirurgia segura: avaliação da adesão ao checklist em hospital de ensino

Francielle Souza do Nascimento Marquioni, Tiago Ricardo Moreira, Flávia Batista Barbosa de Sá Diaz, Luciane Ribeiro

Resumo


Objetivo: Estimar a adesão ao checklist de cirurgia segura em um hospital de ensino de médio porte. Método: Estudo transversal com uma
amostra de 334 pacientes submetidos à cirurgia no ano de 2015. Os dados foram coletados com auxílio de um instrumento baseado no checklist padrão da
Organização Mundial da Saúde. A amostra foi descrita por distribuição de frequências. A prevalência de adesão ao checklist foi estimada considerando a presença
do instrumento de checagem nos prontuários. A análise bivariada investigou a associação do desfecho com as variáveis independentes. A força dessa
associação foi evidenciada por meio da Regressão Logística. Resultados: Verificou-se a existência do checklist em 90,72% dos prontuários. Nenhuma cirurgia
apresentou checklist totalmente preenchido. Em nenhum instrumento foi encontrado o preenchimento completo dos três momentos cirúrgicos.
A existência do checklist no prontuário foi associada à classificação da cirurgia quanto à urgência (OR=4,3; IC95% 1,88–8,73). Conclusão: Mesmo que o
checklist já tenha sido introduzido na prática cirúrgica, os resultados revelam que sua adequada utilização ainda se configura como um grande desafio,
podendo comprometer os resultados esperados na segurança cirúrgica.


Palavras-chave


Segurança do paciente; lista de checagem; procedimentos cirúrgicos operatórios

Texto completo:

PDF PDF/A (English)

Referências


Weiser TG, Rogenbogen SE, Thompson KD, Haynes AB, Lipsitz SR, Berry WR, et al. An estimation of the gloal volume of surgery: a modelling strategy based on available data. Lancet. 2008; 372:139-144. DOI: https://doi.org/10.1016/S0140-6736(08)60878-8

Organização Mundial de Saúde. Segundo desafio global para a segurança do paciente: Manual: cirurgias seguras salvam vidas (orientações para cirurgia segura da OMS). Rio de Janeiro: Organização Pan-Americana da Saúde; Ministério da Saúde; Agência Nacional de Vigilância Sanitária; 2009. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/seguranca_paciente_cirurgia_salva_manual.pdf.

Grigoleto ARL, Gimenes FRE, Avelar MCQ. Segurança do cliente e as ações frente ao procedimento cirúrgico. Rev. Eletr. Enf. [Internet]. 2011 abr/jun; 13(2): 347-54. DOI: https://doi.org/10.5216/ree.v13i2.10326

Anderson O, Davis R, Hanna GB, Vicent CA. Surgical adverse events: a systematic review. The American Journal of Sugery. 2013; 206(2):253-262. DOI: https://doi.org/10.1016/j.amjsurg.2012.11.009

Ruiz OG, Lázaro JJP, López RP. Rendimiento y optimización de la herramienta trigger em la detección de eventos adversos em pacientes adultos hospitalizados. Gac Sanit. 2017. 31(6):453-458. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.gaceta.2017.01.014

Moura MLO, Mendes W. Avaliação de eventos adversos cirúrgicos em hospitais do Rio de Janeiro. Rev Bras Epidemiol. 2012. 15(3):523-535. Disponível em: https://www.scielosp.org/pdf/rbepid/2012.v15n3/523-535/pt. Acesso em: 27 março, 2017.

Serviço Nacional de Saúde de Lisboa. Direção-Geral da Saúde. Estrutura concetual da classificação internacional da segurança do doente. 2011. Disponível em: https://www.dgs.pt/documentos-e-publicacoes/classificacao-internacional-sobre-seguranca-do-doente.aspx Acesso em: 10 janeir0, 2017.

Santana HT, Siqueira HN, Costa MMM, de Oliveira DCAN, Gomes SM, de Souza FC et al. A segurança do paciente cirúrgico na perspectiva da vigilância sanitária – uma reflexão teórica. Vig Sanit Debate. 2014; 2(2): 34-42. Disponível em: http://www.periodicos.fiocruz.br/pt-br/publicacao/8351 Acesso em: 23 novembro de 2016.

Pires MPO, Pedreira MLG, Peterlini MAG. Cirurgia segura em pediatria: elaboração e validação de checklist de intervenções pré-operatórias. Rev. Latino-Ame. Enfermagem . 2013 set-out; 21(5): [08 telas]. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=281428540010 Acesso em: 18 dezembro de 2016.

Gomes CDPP, dos Santos AA, Machado ME, Treviso P. Percepção de uma equipe de enfermagem sobre a utilização do checklist cirúrgico. REV. SOBECC. 2016; 21(3): 140-145. DOI: https://doi.org/10.5327/Z1414-4425201600030004

Bohomol E, Tartali JA. Eventos adversos e pacientes cirúrgicos: conhecimento dos profissionais de enfermagem. Acta Paul Enferm. 2013; 26(4): 376-381. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-21002013000400012.

Haynes AB, Weiser TG, Berry WR, Lipsitz SR, Breizat AH, Dellinger EP et al. A surgical safety checklist to reduce morbidity and mortality in a global population. N Engl J Med. 2008; 360(5):491-499. DOI: 10.1056/NEJMsa0810119.

Haugen AS, Softeland E, Almeland SK, Sevdalis N, Vonen BV, Eide GE et al. Effect of the world Health Organization Checklist on Patient Outcomes. Annals of Surgery. 2015; 261(5): 821-828. DOI: 10.1097/SLA.0000000000000716

Rodrigo-Rincon I, Martin-Vizcaino MP, Tirapu-Leon B, Zabalza-Lopez P, Zaballos-Barcala N, Villalgordo-Ortin P et al. The effects of surgical checklists on morbidity and mortality a pre- and pós-intervention study. Acta Anaesthesiologica Scandinavica. 2015; 59:205-214. DOI: 10.1111/aas.12443

Freitas MR, Antunes AG, Lopes BNA, Fernandes FC, Monte LC, Gama ZAS, et al. Avaliação da adesão ao checklist de cirurgia segura da OMS em cirurgias urológicas e ginecológicas, em dois hospitais de ensino de Natal, Rio Grande do Norte, Brasil. Cad de Saúde Pública. 2014 jan; 30(1): 137-148. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00184612

Melekie TB, Getahun GM. Compliance with Surgical Safety Checklist completion in the operating room of University of Gondar Hospital, Northwest Ethiopia. BMC Res Notes. 2015, 19(8):361 DOI: 10.1186/s13104-015-1338-y.

Bergs J, Hellings J, Cleemput I, Zurel Ö, De Troyer V, Van Hiel M, et al. Systematic review and meta-analysis of the effect of the World Health Organization surgical safety checklist on postoperative complications. BJS 2014; 101: 150–158. DOI: https://doi-org.ez25.periodicos.capes.gov.br/10.1002/bjs.9381

Kearns RJ, Uppal V, Bonner J, Robertson J, Daniel M, McGrady EM. The introduction of a surgical safety checklist in a tertiary referral obstetric centre. BMJ Qual Saf. 2011; 20: 818–22.

http://dx.doi-org.ez25.periodicos.capes.gov.br/10.1136/bmjqs.2010.050179 DOI:

Maziero ECS, Silva AEBC, Mantovanic MF, Cruz EDA. Adesão ao uso de um checklist cirúrgico para segurança do paciente. Rev Gaúcha Enferm. 2015 ; 36(4): 14-20. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1983- 1447.2015.04.53716

.

Griffen F D. ACS Closed Calims Study reveals critical failures to communicate. Bull. Am. Coll. Surg. Chicago. 2007 ; 92 (1) : 11-16.

DOI: https://doi.org/10.1016/j.jamcollsurg.2007.01.013

Treadwell JR, Scott L, Tsou AY. Surgical checklists: a systematic review of impacts and implementation. BMJ Qual Saf. 2014; 23: 299–318. DOI: http://dx.doi-org.ez25.periodicos.capes.gov.br/10.1136/bmjqs-2012-001797

Claus CMP, Conte CG, Coelho JCU,et al. Oclusão intestinal por compressas cirúrgicas intraluminais – experiência de cinco casos. Rev Col Bras Cir. 2007; 34(4): 281-2. Disponível em:

http://www.nascecme.com.br/artigos/Oclus%C3%A3o%20Intestinal16[1].pdf Acesso: 14 julho 2017.

Elias ACGP, Schmidt DRC, Yonekura CSI, Dias AD, Ursi ES, Silva RPJ, et al. Avaliação da adesão ao checklist de cirurgia segura em hospital universitário público. Rev. SOBECC. 2015; 20(3): 128-133. DOI: 10.5327/Z1414-4425201500030002




DOI: https://doi.org/10.5327/10.5327/Z1414-4425201900010006

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 luciane Ribeiro

Rev SOBECC, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2358-2871

Licença Creative Commons Revista SOBECC está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia