Gerenciando risco em reprocessamento de produtos para Saúde: Uma metodologia para serviços hospitalares.

Eliana Auxiliadora Magalhães Costa

Resumo


Dentre as tecnologias em saúde, osprodutos para saúde utilizados nos cuidados assis-tenciais estão progressivamente se tornando maiscomplexos. Esses produtos muito têm contribuídopara a qualidade assistencial, mas esses materiaissão tributários de riscos, principalmente quandona condição de reuso e de reprocessamento. Esteartigo objetiva revisar o estado da arte sobre riscoassociado ao reprocessamento de produtos, bemcomo elaborar uma metodologia de gerenciamentode risco para serviços hospitalares. Foi realizada umapesquisa de revisão da literatura, utilizando basesde dados nacionais e internacionais, com o auxíliode descritores específicos. Os estudos denotam acomplexidade da avaliação de riscos, relacionadosao reprocessamento de produtos para saúde, tantoos considerados reusáveis, quanto os de uso único,ambos difíceis de serem quantificados e analisadospor avaliações do tipo dose-resposta. Os achadossubsidiaram a formulação de uma metodologia degerenciamento de risco associado ao reprocessa-mento de produtos, à luz do princípio da precaução.

Palavras-chave


Reprocessamento. Equipamento Risco. Gerenciamento.

Texto completo:

PDF

Referências


Dalari SG. Vigilância sanitária: responsabilidade pública na proteção e promoção da saúde. In: Costa EA, organizadora. Vigilância sanitária: desvendando o enigma. Salvador: EDUFBA; 2008. Rev. SOBECC. São Paulo. abr./jun. 2013; 18(2): 33-44.

Navarro MVT. Risco, radiodiagnóstico e vigilância sanitária. Salvador: EDUFBA; 2009.

Gadelha CA. O complexo industrial da saúde: desafios para uma política de inovação e desenvolvimento. In: Brasil. Ministério da Saúde. Saúde no Brasil: contribuições para a agenda de prioridades de pesquisa. Brasília; 2006.

U.S. Food and Drug Administration (FIDA). Department of Health and Human Services, Center for Devices and Radiological Health. CDRH: overview of device regulations. Rockville; 2007.

Greene VW. Reuse of medical devices labeled for single-use. In: Mayhall GC. Hospital epidemiology and infection control. 3a ed. Philadelphia: Lippincott Williams and Wilkins; 2004. p.1535-45.

World Health Organization (WHO). Medical Device Regulations. Global overview and guiding principies[ Internet]. Genova; 2003 [ cited 2007 Fev 03]. Disponível em: www.who.gov.

Health Education and Human Services Division, Single-Use Medical Devices. Little available evidence of harm from reuso, but oversigth warrented. Washington; 2000.

National Research Council (NRC). Risk assessment in the government: managing the process. Washington: National Acaderny Press; 1983.

Klosz K. Quality management for the processing of medical devices. GMS Krankenhaushyg Interdiszip. 2008;3(3): Doc22.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Resolução RDC n° 15, de 15 de março de 2012. Dispõe sobre o funcionamento de serviços que realizam o processamento de produtos para saúde e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 16 mar. 2012.

International Organization for Standardization. Application of risk management to medical devices: ISO 14971. 2nd ed. Genova; 2007.

Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). NBR ISO 14971:2009. Produtos para saúde: aplicação de gerenciamento de risco a produtos para saúde. Rio de Janeiro; 2009.

Carvalho A. Implernentation of risk management principies and activities within a Quality Management System [Internet]. S.I. The Global Harmonization Task Force; 2005. (Final document - GHTF/SG3/N15R8). [cited 2009 Jun 02]. Available from: http:!/www.imdrf.org/docs/ghtf/final/sg3/technical-docs/ghtf-sg3-n1 5r8-risk-rnanagement-principles-qms-050520. pdf

Lucchese G. Globalização e regulação sanitária: os rumos da vigilância no Brasil. Brasília: ANVISA; 2008.

Padoveze CM. Riscos associados ao reprocessarnento de artigos de uso único. In: Associação Paulista de Estudos e Controle de Infecção Hospitalar (APECIH). Reprocessamento de artigos de uso único. São Paulo; 2008.

Hubner NO, Assadian O, Poldrack R, Duty O, Schwarzer H, MolIer H, et ai. Endowashers: an overlooked risk for possible post-endoscopic infections. GMS Krankenhaushyg lnterdiszip. 2011;6(1):Doc 13.

Lee RC, Berzins S, Alfieri N. Single-use device reuse risks. Can J lnfect Control. 2007;22(3):142-4.

Canadian Healthcare Association. The reuse of single-use medical devices:guidelines for healthcare faciiities. Ottawa; 1996.

Day P. What is the evidence on the safety and effectiveness of the reuse of medical devices labelled as single-use only? New Zealand Helath Tecnology Assessement. NZHTA. Tech Brief Series [lnternet] 2004 [cited 2009 Jun 021;3(2). Available from: http://nzhta.chmeds.ac. nz/medical_devices . pdf.

Denser CPAC, Lacerda RA. Reprocessamento e reutilização de material odonto-médico-hospitalar de uso único: busca de evidências pela revisão sistemática de literatura científica. Acta Paul Enferm 2006-1119(3):316-22.

Hailey D, Jacobs PD, Ries NM, Polisena J. Reuse ofsingle use medical devices in Canada: clinical and economic outcomes, legal and ethical issues, and current hospital pratice. Int J Technol Assess Health Care. 2008;24(4):430-6.


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Eliana Auxiliadora Magalhães Costa

Rev SOBECC, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2358-2871

Licença Creative Commons Revista SOBECC está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia